27 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Reunião no TJ discute paralisação de agentes e escrivães da Polícia Civil

Presidente Tutmés Airan se dispôs a intermediar negociação entre o Governo e a categoria, que iniciou paralisação de 72 horas nesta segunda-feira

Tutmés Airan vai tentar intermediar conversa entre Governo e Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas. Foto: Caio Loureiro

O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), Tutmés Airan, se dispôs a intermediar uma negociação entre Governo e Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol/AL) para evitar que a categoria entre em greve por tempo indeterminado. Nesta segunda (20), agentes e escrivães iniciaram paralisação de 72 horas. Eles pleiteiam reajuste salarial.

“Me coloquei à disposição para ajudar a construir essa ponte. Acho que é um dever do Poder Judiciário. Vou procurar os caminhos governamentais para ver se é possível a composição desse conflito. Estamos aqui para ajudar”. Tutmés Airan,  presidente do TJ/AL.

De acordo com o presidente do Sindpol/AL, Ricardo Nazário, o piso salarial dos agentes e escrivães, no valor de R$ 3.800, é um dos mais baixos do Brasil.

“Hoje, um soldado da Polícia Militar, de ensino médio, tem piso de R$ 4.030. Com o acordo que fizeram o salário vai chegar a R$ 4.300, podendo chegar a R$ 4.500 se o Governo der o IPCA. A gente está pleiteando essa valorização do salário de nível superior”. Ricardo Nazário, presidente do Sindpol/AL.

A categoria busca ainda o reconhecimento da periculosidade e a compensação financeira pelo aumento da carga horária.

“O Governo aumentou nossa carga horária de 30 para 40 horas e não houve essa composição financeira. Além disso é um absurdo não reconhecerem que a atividade do policial civil é perigosa”. Ricardo Nazário.

Paralisação

Mobilizados Central de Flagrantes I, no bairro do Farol, em Maceió, os policiais devem permanecer durante todo dia no local, enquanto que na terça (21) eles devem se concentrar em frente à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), para se reunir com o o secretário Fabrício Marques e tratar do piso salarial.

Já na quarta-feira (22), a diretoria visitará as delegacias para reforçar a paralisação. Até lá, o Sindpol disponibilizará de música ao vivo a serviços gratuitos de saúde, como aferição de pressão, limpeza de tártaro, aplicação de flúor e avaliação odontológica, além de café da manhã, almoço e lanche.