13 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Justiça

Acusados de matar funcionário da Santa Casa são condenados a 19 anos

Rhuan Miguel tinha acabado de estacionar o veículo em frente ao hospital, quando foi atingido por quatro disparos de arma de fogo

Foto: Caio Loureiro.

O Tribunal do Júri da 9ª Vara Criminal de Maceió condenou os réus Maxswel Santos Silva e José Wilson Tenório da Silva, acusados de matar Rhuan Miguel dos Santos Vieira, em 2020. O júri popular, realizado na quarta (3), no Fórum da Capital, foi conduzido pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim.

Os acusados agiram motivados por suspeitarem do envolvimento amoroso de Rhuan com a esposa de José Wilson. Geraldo Amorim fixou as penas para ambos os réus em 19 anos e 3 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado. Eles não poderão apelar em liberdade.

O magistrado também condenou os acusados ao pagamento de R$ R$104.500,00 aos familiares de Rhuan, por danos morais, devendo cada réu contribuir igualmente para atingir o valor.

O crime ocorreu no dia 22 de maio de 2020, no Centro de Maceió. De acordo com os autos, a vítima teve um envolvimento amoroso com sua colega de trabalho, a qual era casada com José Wilson. Ao descobrir a relação extraconjugal, o acusado resolveu se vingar, com a ajuda de Maxswel, segundo a acusação.

Rhuan estacionou seu veículo próximo à Santa Casa de Misericórdia, onde trabalhava, quando, ainda dentro do carro, foi abordado por Maxswel, que simulou um assalto e efetuou quatro disparos de arma de fogo, através da janela do veículo. Em seguida, fugiu numa motocicleta pilotada por José Wilson.

O juiz Geraldo Amorim apontou a ousadia no cometimento do crime, pois Rhuan foi surpreendido por Maxswel enquanto se preparava para mais um plantão no hospital, “no momento em que (…) se encontrava no interior de seu veículo, com subtração de seu pertence, o relógio, com finalidade de se forjar um cenário de latrocínio, com vistas a mascarar a real motivação do fato”, afirmou.