15 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Vídeos

Anitta diz em Portugual que Amazônia virou ‘grande terra de ninguém’

Comentário vem dez dias depois dos corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips serem encontrados na região

A cantora Anitta denunciou neste domingo (26), em Portugal, o descaso das autoridades com a Amazônia. Durante entrevista coletiva antes de se apresentar no Rock in Rio Lisboa, a cantora disse que a maior floresta tropical do mundo precisaria de mais atenção.

“Uma grande bagunça, lá acontece de tudo e ninguém vê nada. Quem se expõe para falar acaba morto, acaba com a família torturada, tomando um cala boca de algum jeito. E se vier me matar, vai ter que aguentar a assombração que eu vou virar depois”.

O comentário vem dez dias depois dos corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips serem encontrados na região do Vale do Javari, no Amazonas.

Enterro

Familiares e amigos se despediram do jornalista Dom Phillips em um funeral realizado na manhã de domingo (26), em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

O profissional de imprensa foi assassinado no Vale do Javari, no Amazonas, onde estava a trabalho acompanhado do indigenista Bruno Pereira, que também foi morto. 

A família do jornalista britânico chegou ao cemitério Parque da Colina por volta das 9h, quando começou o velório de Phillips. A cerimônia foi seguida da cremação de seus restos mortais, realizada no mesmo cemitério.

A viúva de Dom, Alessandra Sampaio, e a irmã do jornalista, Sian Phillips, leram pronunciamentos em português e inglês para a imprensa, destacando o amor do britânico pelo Brasil, seu compromisso com a conservação do meio ambiente e a necessidade de continuar sua luta.

Alessandra Sampaio agradeceu o apoio que recebeu dos povos indígenas, da imprensa, de amigos jornalistas e de todos que participaram das buscas e se solidarizaram com Dom, Bruno e suas famílias.

“Hoje, Dom será cremado no país que amava, seu lar escolhido, o Brasil”, disse. “Dom era uma pessoa muito especial, não apenas por defender aquilo que acreditava como profissional, mas também por ter um coração enorme e um grande amor pela humanidade”.