29 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Apoiado por Bolsonaro, Queiroz das ‘rachadinhas’ entra em campanha para deputado

Na campanha, Fabrício Queiroz tenta esquecer o caso das ‘rachadinhas” quando era assessor de Flávio Bolsonaro

Queiroz: após as rachadinhas à briga para ser deputado federal

Personagem central do caso das “rachadinhas”, primeira investigação que respingou no governo Bolsonaro, o ex-assessor Fabrício Queiroz trocou o silêncio e a discrição adotados quando foi alvo do Ministério Público (MP-RJ) pelos holofotes de quem busca uma candidatura a deputado federal.

Queiroz, aos 56 anos, subtenente reformado da Polícia Militar do Rio, forjou para si mesmo uma nova patente: a de soldado a serviço do “comandante”, forma como se refere ao presidente Jair Bolsonaro.

“Problema meu”

Queiroz foi apontado pelo MP como operador do desvio de salários de outros assessores no gabinete de Flávio, mas a investigação foi posteriormente anulada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Hoje, Queiroz transita com tranquilidade por reuniões políticas e encontros com amigos, sempre registrados em suas redes sociais. Nelas, também publica críticas, normalmente jocosas e com termos chulos, a adversários de Bolsonaro, como o ex-presidente Lula (PT) e o ex-juiz Sergio Moro (União). O único tema em que mantém silêncio é rachadinha.

— Não tenho o que falar. Aquele problema foi meu, apenas. De mim, não passa. Fiquei calado esse tempo todo, embora perseguido por jornalistas o tempo todo – afirma.