26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Após Bolsonaro falar em ‘golpe’, Congresso já prepara retaliação

Ala se irritou com apoiadores que desejam destinar os fundos eleitoral e partidário para combater o coronavírus

Não bastou afrontar Legislativo e Judiciário ao engrossar manifestações em apoio ao governo e com ataques aos outros Poderes. No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro se disse ameaçado pela cúpula do Congresso e afirmou estar em uma “luta de poder” e que o isolamento dele “seria um golpe”.

Com isso, ganhou força entre parlamentares movimento para usar a narrativa do coronavírus como forma de retaliar o Executivo. Isso após os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, se reuniram na tarde desta segunda (16) sem Bolsonaro para discutir ações contra a doença.

O governo federal foi representado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que, de maneira inacreditável (mas não inesperada), durante a pandemia do Covid-19 passou a ser boicotado pelo presidente.

Retaliações

Uma ala de congressistas já prepara uma reação, irritada com apoiadores do presidente que desejam destinar os fundos eleitoral e partidário para combater o coronavírus. O primeiro, para financiar campanhas políticas, foi alvo de disputa entre Executivo e Legislativo no início do ano.

Congressistas disseram ter identificado de imediato a estratégia de Bolsonaro. Para eles, o presidente começou a construir uma narrativa de que haveria um movimento para tirá-lo do cargo, uma maneira de se vitimizar.

A avaliação entre líderes no Congresso é que não se pode cair na armadilha de Bolsonaro, embora também considerem que não há clima para defender o impeachment.

Deputados começaram a discutir com Maia mecanismos para propor, em contrarreação, um remanejamento de recursos de órgãos como a Secretaria de Comunicação Social, Defesa e até do cartão corporativo da Presidência.

O presidente da Câmara determinou que o corpo técnico do Legislativo estude como viabilizar a ideia. Uma decisão, porém, ainda não foi tomada. Para líderes, é preciso definir um novo limite no relacionamento com o Executivo. Contudo, uma resposta mais enfática deveria vir após a crise do coronavírus.

Criticas de Bolsonaro

Bolsonaro deu entrevista por telefone à Rádio Bandeirantes, após ser criticado por Maia e Alcolumbre por ter participado de atos que atacaram o Congresso e o STF. e disse que apresentador José Luiz Datena que “vive ameaçado o tempo todo. Seria um golpe isolar o chefe do Poder Executivo por interesses outros que não sejam os republicanos”.

Na avaliação dele, há motivação política nas críticas feitas por Maia e Alcolumbre à sua ida aos atos. O presidente contrariou recomendações do Ministério da Saúde para evitar aglomerações, manteve contato com apoiadores e chamou de “histeria” a reação contra o coronavírus.

“Não dá para querer jogar nas minhas costas uma possível disseminação do vírus. Se eu me contaminei, isso é responsabilidade minha, ninguém tem nada a ver com isso”. Jair Bolsonaro, presidente.

Na verdade, o ministério da Saúde regulamentou a Lei 13.979/2020, para enfrentar o surto de coronavírus. Segundo a norma, o isolamento de pessoas durante investigação clínica poderá ser determinado por médico ou agente de vigilância epidemiológica por um período de 14 dias, prorrogáveis por mais 14 em caso de risco de transmissão do vírus. E o isolamento deverá ser cumprido na residência da pessoa.

Vale lembrar: o mundo tudo está agindo e suspendo atividades, fazendo apenas o necessário, para evitar aglomerações. O presidente, no entanto, de forma irresponsável, pode ter exposto sozinho centenas de pessoas. E deu mau exemplo para outros milhares, milhões de pessoas.

 

Impeachment ‘só pelo povo’

Bolsonaro ainda descartou haver base para a abertura de processo de impeachment por sua conduta:

“Eu não abuso e não tenho qualquer envolvimento com corrupção. E terceiro: um impeachment só pode haver, no meu entender, se o povo estiver favorável a isso. Não existe nenhum ingrediente no tocante a isso daí. Se a economia afundar, afunda o Brasil. E qual o interesse dessas lideranças políticas? Se acabar economia, acaba qualquer governo. Acaba o meu governo. É uma luta de poder”. Jair Bolsonaro.