23 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Justiça

Aras fala em ‘festa cívica’ no dia 7 e fecha os olhos para ameaças de Bolsonaro

PGR ainda sonha com vaga no Supremo e discursou logo após pronunciamento de Luiz Fux, que acusou Bolsonaro de crime de responsabilidade

O PGR Aras age como defensor de Bolsonaro e ainda sonha com vaga no STF

Assim como o presidente da Câmara, Arthur Lira, o PGR (Procurador-geral da República) Augusto Aras evitou criticar o presidente Jair Bolsonaro ao se pronunciar hoje (8) sobre as manifestações de 7 setembro.

Em discurso no início da sessão plenária do STF (Supremo Tribunal Federal), Aras pregou respeito à Constituição, mas não comentou as ameaças de Bolsonaro de não cumprir decisões da Corte.

“Acompanhamos ontem uma festa cívica com manifestações pacíficas, que ocorreram hegemonicamente de forma ordeira pelas vias públicas do Brasil. As manifestações do 7 de setembro foram a expressão de uma sociedade plural e aberta, características de um regime democrático”. Augusto Aras, PGR.

Aras discursou logo após um pronunciamento do presidente do STF, Luiz Fux, que em defesa da Corte, afirmou que Bolsonaro estará cometendo crime de responsabilidade se descumprir ordens judiciais.

Nem mesmo assim o PGR falou sobre as ameaças de Bolsonaro. Preferiu pregar diálogo entre as instituições e defendeu que os problemas na democracia devem ser resolvidos por meio do devido processo legal.

Vale lembrar: a indicação de André Mendonça para o STF enfrenta dificuldades, pois nem mesmo sua sabatina foi marcada no Senado. E o filho 01, Flávio Bolsonaro, já busca apoio entre colegas para, justamente, fortalecer o nome de Aras como indicado no STF.