30 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Aras não só prorrogou inquérito, como também decidiu que Bolsonaro precisa depor na PF

Medida ainda deverá ser autorizada pelo ministro relator do caso no STF, Celso de Mello

O pedido da Polícia Federal foi aceito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e o presidente Jair Bolsonaro terá que tomar depoimento no inquérito aberto no STF. O mesmo investiga denúncias do ex-ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) sobre suposta interferência do presidente na PF.

A medida ainda deverá ser autorizada pelo ministro relator do caso no STF, Celso de Mello. Ainda não está claro como seria tomado o depoimento nem a data e o local

Se for levado em conta o precedente do inquérito que tratou do presidente Michel Temer em 2017 quando o ministro Edson Fachin determinou a oitiva, Bolsonaro poderá responder às dúvidas por escrito. Temer também foi ouvido dessa forma. Só depois que deixou a Presidência, em 2019, ele foi ouvido presencialmente na PF.

Prorrogação

Após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que o inquérito da Polícia Federal contra ele será arquivado, o Procurador Geral da República, Augusto Aras, disse na TV Globo “o presidente esqueceu de combinar comigo”.

Na entrevista exibida na madrugada desta terça-feira, 2, Aras, tentou tentou passar a imagem de autonomia no cargo, considerando que vem sendo questionado pelos membros da instituição por seu alinhamento com o governo.