29 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro coloca estrutura do governo a serviço da candidatura de Arthur Lira na Câmara

São mais de 1800 cargos à dsposição em estatais, ministérios e conselhos, além de emendas parlamentares.

Arthur Lira se fortalece para presidente a Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro  determinou e o governo assumiu sem medidas, nem constrangimento nem pudor, a candidatura do deputado Arthur Lira PP-AL), para a presidência da Câmara.

A ordem é colocar ministérios e cargos, de empresas estatais, de conselhos, além de emendas parlamentares, para convencer deputados a votarem no líder do Centrão.

Bolsonaro quer tudo pela frente, menos o candidato Baleia Rossi (MDB-SP), apoiado pelo então presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

São exatamente 837 de número 5, os mais importantes, e 1.799 de número quatro. A distribuição das vagas ocorrerá com restrições. Primeiro porque não é comum o governo trocar todo o seu quadro; segundo, porque Bolsonaro ainda terá que atender às alas evangélica, militar e olavista.

Além desses cargos, o site Panorama das Estatais, do próprio governo, aponta que existem 197 empresas estatais que podem servir de atrativo para indicados que ampliem os poderes, a visibilidade e a influência de parlamentares do Centrão, grupo onde Bolsonaro se formou politicamente e ao qual estará atado até o fim do mandato. Para completar, embora o Orçamento de 2021 tenha 93,7% da despesa primária como obrigatórias e pouco espaço para investimento, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), o Fundo Nacional de Desenvolvimento em Educação (FNDE) e o Banco do Nordeste seguem atrativos.