14 de maio de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro diz lamentar morte de Paulo Gustavo: ‘Que Deus o receba com alegria’

Protagonista dos filmes de maior bilheteria do Brasil, ator de 42 anos se juntou aos mais de 410 mil mortos por Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro se manifestou na madrugada de quarta-feira (5) sobre a morte do ator e humorista Paulo Gustavo, vítima da Covid-19, na noite de terça.

“Meus votos de pesar pelo passamento do ator e diretor Paulo Gustavo, que com seu talento e carisma conquistou o carinho de todo Brasil. Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a Covid”. Jair Bolsonaro, presidente.

Bolsonaro publicou sua mensagem duas horas após o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ex-presidente Lula lamentarem a morte em suas contas.

Paulo Gustavo

O ator, que tinha 42 anos, era casado com Thales Bretas e deixa dois filhos, os gêmeos Gael e Romeu, de um ano. Agora, é mais um dos mais de 410 mil mortos pela Covid-19 nesta pandemia.

Paulo Gustavo estava internado na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital no Rio de Janeiro desde o dia 13 de março com Covid-19. Uma semana após a internação, ele teve de ser intubado porque estava com dificuldade para respirar.

No dia 2 de abril, piorou e precisou da ajuda de uma espécie de pulmão artificial usado apenas nos casos mais graves. Um mês depois, teve uma embolia gasosa que se espalhou em decorrência de um rompimento do tecido do pulmão.

Nascido em Niterói, Rio de Janeiro, em 1978, Paulo usou a cidade como cenário dos filmes “Minha Mãe é uma Peça” e fazia piadas frequentes sobre a região. Ele era casado com o médico Thales Bretas, com quem teve dois filhos, Gael e Romeu, através de uma barriga de aluguel. Os meninos nasceram em agosto de 2019.

Paulo atuou no cinema em “Divã” (2009), “Xuxa em O Mistério de Feiurinha” (2009), “Os Homens São de Marte… e É pra lá que Eu Vou” (2014) e “Vai que Cola – O Filme”, mas foi com a Dona Hermínia, que Paulo levou milhares de pessoas às salas de cinema para verem no papel da própria mãe e bateu recorde de bilheteria.

Em 2020, “Minha Mãe é uma Peça 3”, se tornou a maior bilheteria da história do cinema nacional, com R$ 143,9 milhões arrecadados em sua passagem pelas salas. O longa superou o capítulo anterior da própria franquia, “Minha Mãe é uma Peça 2”. Lançado em 2016, o segundo filme da série estrelada por Paulo Gustavo arrecadou R$ 123,8 milhões.