25 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro mentiu em sua live semanal. De novo

Como de costume, falando especialmente para seu curral, o presidente exagerou, distorceu e inventou informações

Já é de praxe: com as lives semanais de quintas-feiras, aumentam o leque de absurdos, impropérios, invenções, distorções e mentiras deslavadas pelo presidente Jair Bolsonaro. E ao vivo e em cores.

Desta vez, na quinta que coincide com os mais de 400 mil mortes pela covid-19 no Brasil, o presidente voltou a criticar as medidas de distanciamento social e insistiu que é preciso “se acostumar com o vírus”.

Leia mais: Sozinho em live, Bolsonaro mente sobre PIB, lockdown, vacinação e medicamentos
Bolsonaro mentiu em live quando disse que mãe recebeu vacina de Oxford
Em live, Bolsonaro sugere engolir o choro, focar na economia e tomar cloroquina
Bolsonaro faz live com Pazuello para dar o recado: “um manda, outro obedece”
Bolsonaro diz que ONGs na Amazônia são câncer e critica máscaras em mais uma live leviana

E ao sugerir que os brasileiros se acostumem com as mortes de parentes, amigos e conhecidos, Bolsonaro bateu na mesma tecla de que as medidas estão matando as pessoas de fome – embora tenha dito semanas atrás que todo mundo engordou nesta pandemia.

“Hoje, a partir da madrugada, um comboio de caminhões lá da Ceagesp, em São Paulo. Levando então segundo os dados aqui 200 toneladas de comida para o município de Araraquara. E por que esse problema? Em Araraquara o prefeito fez aquele plano, que o STF] deu poder pra ele, e pôs tudo para quebrar, fechou o município por muito tempo. Muita gente perdeu renda, muitos perderam o emprego”. Jair Bolsonaro, presidente.

Bolsonaro falou isso no dia 29 de abril, após centenas de milhares de mortos e ele insiste em culpar os outros. Curiosamente, nesta mesma data chegava ao Brasil a primeira remessa de vacinas da Pfizer – 8 meses após o presidente recusar a compra de 70 milhões de doses.

Claro: se você passa toda uma pandemia dizendo que ela é besteira e se esforça para não comprar vacinas, o que temos é um país endividado e dividido sobre as medidas de prevenção. Até militar de alta patente, ministro de alto escalão, anda se vacinando escondido e com medo de morrer. O que Bolsonaro ainda espera?

A única verdade que ele contou foi sobre sua omissão:

“O governo federal não fechou comércio, não falou que todo mundo tinha que ficar em casa”. Jair Bolsonaro, presidente.

Ao vivo, e em cores, Bolsonaro deu mais munição para CPI da pandemia.

Além da pandemia

E sem mentir só sobre a pandemia, Bolsonaro distorceu e inventou dizendo que o TSE não faz auditoria das urnas eletrônicas (claro que fazem).

Ele também resolveu levar um índio na live para dizer que a Europa não “compra grãos oriundos de terras indígenas”, por causa de uma portaria. E que o povo europeu os discriminam, “porque não quer ver o progresso deles”.

Também mentira: na verdade o próprio Brasil assinou um tratado de que não se deve comercializar grãos plantados em áreas recém desmatadas.

Levy Fidelix

Sem manifestar muita solidariedade às mais de 400 mil mortes pela covid-19, Bolsonaro prestou solidariedade a Levy Fidelix, do PRTB. Costumaz candidato a presidência, Fidelix ganhou notoriedade por suas propostas absurdas do aerotrem e a infame frase “orgão excretor não é reprodutor”. Fidelix morreu de covid.

“Lamentamos aqui o falecimento do Levy Fidelix, do PRTB. Conheci Levy. Foi candidato a presidente da República. Tinha suas posições, era um conservador. Era uma pessoa realmente muito parecida comigo nos seus posicionamentos. Perdemos uma pessoa aí que vai deixar saudades em todos nós. Então nossos pêsames a toda família”. Jair Bolsonaro, presidente.