26 de outubro de 2020Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro mentiu, mente e, tudo indica, continuará mentindo

Anúncio do fim da Lava Jato por “não ter mais corrupção em seu governo” foi de uma patifaria sem tamanho

Acabou a corrupção. Não há nada para se ver aqui.

Não passa de uma mentira da imprensa calhorda, ou de invenções da esquerda, situações do atual governo como os ministros envolvidos em esquemas de laranjas, outras figuras com fortes laços milicianos, indícios de superfaturamento em compras de medicamentos (que não funcionam) durante uma pandemia e o uso político da Polícia Federal.

E nem é como se, no entorno familiar, com tudo que há contra os filhos (que não será listado pois isso é um artigo, não uma enciclopédia), o que dizer do programa da primeira-dama que recebeu, sem licitação, mais de R$ 7 milhões para alimentar ONGs alinhadas àqueles que tentaram sabotar o aborto da menina de 10 anos que era sistematicamente estuprada pelo tio.

Vale lembrar: a quantia de R$ 7,5 milhões, originalmente destinados à ações contra pandemia, é diretamente 84 vezes maior que a quantia R$ 89 mil depositada, em vários cheques, pelo assessor amigo de longa data, na conta da primeira-dama.

Mas quem é o marginal, idiota, viciado, imbecil, mal caráter ou, pior, o sabotador da pátria amada, o comunista que torce contra o governo, que quer tocar nesses assuntos, que claramente não são um problema. Afinal, acabou a corrupção.

O mito da verdade

E ainda há quem acredite nisso

Nunca foi de bom presságio ter uma figura política com forte apelo religioso e que usa a fé de seus seguidores para vender e manter seus ideais. E nem é preciso ser historiador para ir tão longe nisso. Basta pegar qualquer exemplo atual no Oriente Médio ou no Leste Europeu: seja de esquerda ou de direita, unir Igreja e Estado apenas provocou recessão, perda de direitos e guerras. Muitas guerras…

Bolsonaro, em um momento mais família com Silas Malafaia

Estruturalmente, já é difícil a figura de um político 100% honesto e verídico com seu discurso. Conchavos, rabos presos e interesses partidários ou pessoais exigem um pouco de engenharia para destorcer a verdade. Ou, vá lá, mentir na cara dura mesmo.

O pior de tudo é o uso das frases bíblicas como muleta para se colocar em um pedestal moral. Usar “conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, enquanto fala tantas mentiras para tanta gente, deveria ser passível de excomungação. Se for o caso, que crie sua própria religião.

O fim da Lava Jato

O presidente Jair Bolsonaro teve a audácia de dizer, nessa quarta (7) que acabou com a operação Lava Jato porque “não existe mais corrupção no governo”. Ou seja: assim como nos temos da ditadura brasileira (ou “Regime Militar”), hoje não há corrupção. E da mesma forma que naquela época, talvez só por ter investigações ou inquéritos…

Pregar o fim da Lava Jato, que longe de ser perfeita confirmou e provou desvios bilionários em praticamente todas as instâncias do governo (corrupção é nossa endemia), é uma ação que confirma mais uma de suas mentiras.

Durante o segundo turno das eleições em 2018, aquele mesmo em que, tudo indica, uma operação que iria revelar o esquema de Fabrício Queiroz e Flávio Bolsonaro, mas foi silenciada para favorecer o então hoje presidente, Bolsonaro, ao falar da Lava Jato,prometia que “a justiça deverá seguir seu rumo sem interferências políticas”. Curiosamente, no mesmo tweet, ele prometia não interferir na mídia.

Claramente, o que foi falado no dia 7 de outubro de 2020 evidencia a mentira que fora o que ele prometia pouco menos de 2 anos antes:

“É um orgulho, uma satisfação que eu tenho de dizer a essa imprensa maravilhosa nossa, que eu não quero acabar com a Lava Jato… Eu acabei com a Lava Jato, porque não tem mais corrupção no governo”. Jair Bolsonaro, presidente.

Bolsonaro, realmente, é um homem de contrastes. Apesar de na política desde 1991, após ser acusado de planejar atentados terroristas com a explosão de bombas em quartéis e outros locais estratégicos no Rio de Janeiro, Jair se vendeu como um alguém da nova política, que era contra corrupção e a favor do povo.

Hoje, presidente, se aliou ao Centrão, com a entrega de bilhões de reais em emendas e a venda de sua alma presidencial para manter maioria contra pedidos de impeachment e deu um forte abraço hétero no até pouco tempo presidente do STF, em duas ações recentes que contrariam sua base aliada.

O que deve estar passando pela cabeça de quem, finalmente, se tocou que ficar no sol pesado, fazendo papel de chumbeta de político durante uma pandemia, para querer o fim da corrupção ou até mesmo pedir fechar o Congresso e o Supremo, ver hoje o seu ídolo dormindo com os inimigos.

Mas acabou a corrupção.

“Atacar a corrupção na sua raiz, pondo fim nas indicações políticas do governo em troca de apoio”… Bolsonaro mentiu. Bolsonaro mente. E se ele continuar seguindo nessa tocada, tudo indica: continuará mentindo. Resta saber se os apoiadores continuaram ao seu lado, ouvindo mil vezes a mesma mentira até que elas se tornem verdade.

Ou, vá lá: vai ver está tudo realmente certo e a corrupção acabou. Para questionar isso, só mesmo sendo idiota, imbecil, mal caráter, sabotador da pátria amada, comunista que torce contra o governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.