25 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro não está entre os 80 chefes de Estado convidados para discutir clima na ONU

Desmatamento no Brasil colocou o governo numa saia-justa inédita

O presidente Jair Bolsonaro não foi colocado na lista provisória de quase 80 chefes de Estado e de governo que participarão neste final de semana de uma cúpula do clima, organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas), França, Reino Unido, Itália e Chile. A informação é de Jamil Chade, correspondente do UOL na ONU.

A lista, porém, traz algumas das principais economias do mundo: China, Europa, Japão, Canadá e Índia. Rússia e Estados Unidos não fazem parte da lista preliminar. Na América Latina, estão confirmados países como Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Guatemala, Honduras, Panamá, Peru e Uruguai.

Ao longo dos últimos meses, Bolsonaro e seus ministros têm usado reuniões internacionais para atacar países estrangeiros, e raramente para apresentar projetos concretos sobre o que tem feito parar frear o desmatamento.

Postura essa que não será bem-vindo na próxima cúpula. O desmatamento no Brasil colocou o governo de Jair Bolsonaro numa saia-justa inédita e numa encruzilhada internacional.

Corrida para inclusão

Para o governo brasileiro, a situação não é definitiva e a esperança é que exista espaço para reverter, com o Itamaraty ainda buscando uma solução para a crise política.

A reunião virtual tem como meta marcar os cinco anos do Acordo de Paris. Mas os organizadores optaram por transformar o evento num marco dos compromissos dos governos e já preparar a cúpula de 2021, em Glasgow (Escócia). A condição para que um líder participe é que ele apresente novas e “ambiciosas” metas de redução de emissões ou de preservação da floresta.

O governo brasileiro, em meados da semana, apresentou suas metas de emissões para o ano de 2060 e submeteu seus planos para a ONU. Os objetivos foram considerados como inferiores ao que se esperava do Brasil. Entre os organizadores da cúpula, o entendimento foi que tais metas não eram suficientes para incluir o país na lista de participantes.