27 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro pediu que Enem trocasse Golpe de 1964 por “revolução”

Desde 2019, primeiro ano do atual governo, nenhuma questão sobre o a ditadura caiu no Enem, o que é inédito desde que o exame é aplicado.

Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O Enem, aparentemente, vai mesmo ficando cada vez mais com “a cara do governo”, como disse o presidente Jair Bolsonaro.

Às vésperas do exame, o governo passa por uma crise que envolve denúncias de interferência em conteúdo e assédio moral de servidores, foi confirmado o pedido, feito ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, para que questões que tratassem o Golpe Militar de 1964 como uma revolução.

O pedido de Bolsonaro teria ocorrido no primeiro semestre, segundo relatos de integrantes do governo. Bolsonaro é defensor da ditadura militar (1964-1985), elogia torturadores e tem histórico de criticar o Enem por uma suposta abordagem de esquerda.

Ribeiro chegou a comentar a fala com equipes do MEC (Ministério da Educação) e do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), mas não levou o pedido adiante de modo prático, uma vez que os itens passam por longo processo de elaboração.

Leia mais: Com Enem próximo, 30 servidores do Inep pedem demissão
Ronaldo Medeiros critica ingerência do governo Bolsonaro na elaboração da prova do Enem

Após denúncias de interferência na prova por parte dos servidores, ele disse nesta semana que o exame começava a ficar com a “cara do governo” e voltou a criticar a prova.

A visão de Bolsonaro contaria os fatos e a historiografia, que apontam o movimento de 1964 como um golpe militar ou civil-militar, na visão de alguns historiadores.

Desde 2019, primeiro ano do atual governo, nenhuma questão sobre o a ditadura caiu no Enem , o que é inédito desde que o exame é aplicado.

Por causa da pressão por uma prova com a “cara do governo”, servidores envolvidos com o Enem classificam o clima atual como desesperador: há temor com relação a possíveis perseguições e punições caso o exame desagrade Bolsonaro.

O Enem acontece em 21 e 28 de novembro. A prova está pronta, mas as mudanças podem atrapalhar os processos que acontecem após aplicação do exame e o cronograma para a edição de 2022, que deveria começar a ser feito nas próximas semanas.