28 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro recua e agora diz que ninguém quer atacar as urnas eletrônicas

Presidente fez várias declarações golpistas contras as urnas e agora modera o tom, após reação de Fachin

Após ameaçar golpes contra as urnas eletrônicas e a justiça eleitoral, Bolsonaro modera o tom.

Após seguidas ameaças e insinuações golpistas, o presidente Jair Bolsonaro agora diz que ninguém quer atacar as urnas, nem impor nada.

Ele decidiu moderar o tom que vinha adotando nas últimas semanas contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e seus ministros por conta do processo eleitoral.

Em sua live desta quinta-feira, 12, Bolsonaro disse que o  ministro Edson Fachin, vê “fantasma” e que as Forças Armadas não interferem nas eleições.

Após os seguidos ataques contra a justiça eleitoral, o ministro Edson Fachin, presidente da corte, disse que o País terá eleições limpas com as “forças desarmadas”, em uma resposta direta ao chefe do Executivo que a toda hora ameaçava colocar as forças armadas contra o Tribunal.

“Eu não sei de onde ele está tirando esse fantasma que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral”, disse Bolsonaro em sua transmissão semanal em redes sociais.

“Não existe interferência, ninguém quer impor nada, ninguém quer atacar as urnas, atacar a democracia, nada disso. Ninguém está incorrendo em atos antidemocráticos. Pelo amor de Deus! A transparência das eleições, eleições limpas, transparente, é questão de segurança nacional”, continuou.

Em evento em Maringá (PR), na véspera, Bolsonaro havia voltado a colocar em dúvida o sistema eleitoral e disse que seu governo não aceitaria provocações.

Em sua reação contra as investidas golpistas de Bolsonaro, o ministro Fachin disse que “a Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas jamais está aberta a se dobrar a quem quer que seja [sic] tomar as rédeas do processo eleitoral”.

Bolsonaro chamou a declaração do ministro de “descortês”.