14 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Brumadinho: Barragem da Vale se rompe no interior de Minas Gerais

Região atingida tem em torno de 1.000 moradores

Uma barragem rompeu-se na cidade de Brumadinho, próxima a Belo Horizonte. As informações preliminares foram dadas pela Defesa Civil. Uma equipe com técnicos está se dirigindo ao local para avaliar a situação.

Em nota, o Ibama informou que a Barragem VI no Córrego do Feijão tem um volume de 1 milhão de m³ de rejeito de mineração — no desastre de Mariana, o volume da barragem era de 50 milhões de m³. A Barragem VI foi construída em 1991.

“As primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens”. Nota da Vale do Rio Doce, empresa responsável pela barragem.

Segundo a empresa, a prioridade é “preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade”. O comunicado não explica a causa do rompimento. A parte do centro, mais próxima ao leito do rio, foi esvaziada e está deserta.

A prefeitura lançou um comunicado em sua conta no Instragram pedindo que os moradores fiquem longe do leito do Rio Paraopeba.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Prefeitura de Brumadinho (@prefeitura_brumadinho) em

Abaixo da barragem, havia propriedades rurais, como sítios e fazendas, além de alguns restaurantes e pousadas. Os bombeiros já resgataram gente algumas pessoas, mas ainda não divulgaram informações sobre os feridos ou mortos. A região atingida tem em torno de 1.000 moradores.

Pandemônio

Após rompimento da barragem , moradores procuram se abrigar nas áreas mais altas da cidade e ter informações sobre familiares e conhecidos que estavam próximos ao local. “A cidade está um pandemônio. As pessoas estão muito assustadas”, relata Genilda Dalabrida, dona de um restaurante na cidade.

Genilda disse que os moradores estão acompanhando os resgates e procurando familiares, amigos e conhecidos que estavam próximos ao local e podem ter sido atingidos. “Você vê pessoas com celular na mão, tentando falar com família”, disse. Genilda relata que está tentando encontrar o ex-marido, que trabalhava no local, mas ainda não conseguiu contato.

De acordo com Genilda, além desse esforço, moradores estão buscando se deslocar para regiões mais seguras, nas áreas mais altas da cidade. Os donos de comércios no centro estão fechando as lojas.

“A preocupação é quem não está lá ir para locais seguros. Minha funcionária foi, voltou, e disse que a água estava baixa. Ela contou que vai para a casa da sogra, em um distrito mais alto”.

Seu restaurante fica em um local na área mais alta. Ela chamou amigos para se abrigarem lá. “Nós estamos seguros porque não estamos perto do rio. Tem muito lugar para espalhar até chegar aqui, não temos risco”, disse.

Ações e presidente

As ações da mineradora Vale na Bolsa de Valores dos Estados Unidos despencavam mais de 12% nesta sexta-feira (25), após o rompimento

E pelo twitter, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que sua maior preocupação neste momento é atender eventuais vítimas desta grave tragédia e que o Ministro do Meio Ambiente também está a caminho. Todas as providências cabíveis estão sendo tomadas.