20 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Caso Marielle: Bolsonaro pede 15 minutos para se explicar no JN

Presidente também deu com o 90% as chances de sair do PSL

Em nova entrevista exclusiva à Record, presidente Jair Bolsonaro criticou mais uma vez a Globo pela exibição de uma reportagem no Jornal Nacional que associou o seu nome às investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Embora tenha falado sem os gritos e surtos, com em seu tom completamente descontrolado em uma live no dia seguinte à reportagem, o presidente teceu palavras pesadas à emissora. E acusou a mesma de persegui-lo. Bolsonaro não considera o caso encerrado, mirando seu foco também no governador do Rio, Wilson Witzel.

“Porque não pode uma emissora de televisão, como a Globo, jogar um balde de coisa suja em cima de mim, naquela matéria da semana passada, e depois fica por isso mesmo. A Rede Globo de Televisão tem que explicar quem é que vazou um processo que corria em segredo de Justiça para eles”. Jair Bolsonaro, presidente.

Antes de tudo, a emissora tem o direito constitucional de preservar as suas fontes. Ele aproveitou para negar que tenha agido para obstruir as investigações dos assassinatos e, finalmente, pediu espaço à emissora:

“Então, sou uma pessoa que sou constantemente perseguida. E comprovo, com este último caso da senhora Marielle Franco. Desculpa aqui o linguajar: é um jornalismo sujo por parte da TV Globo. Inclusive eu os tenho desafiado: ‘TV Globo, me dá um espaço de 15 minutos, ao vivo, no Jornal Nacional pra explicar isso e mais coisas. E obviamente vou cobrar de vocês quem vazou isso para vocês'”. Jair Bolsonaro

Bolsonaro já foi ao JN durante as eleições

Voz da experiência

Curiosamente, anos atrás, um motorista trabalhava também como assessor da secretária particular de Fernando Collor, então presidente no início dos anos 90. Ele mexia com dinheiro em nome da família Collor e seu depoimento sincero ajudou a derrubar o então presidente.

Irritado, isolado politicamente e perdendo o controle do Congresso, o relativamente inexperiente Collor sofreu um impeachment em 1992.

Alguns anos depois, ele teve seus minutos em uma entrevista com Sonia Bridi. Ele concordou em falar, desde que a conversa não fosse editada ou cortada. O resultado foi um Collor extremamente irritado, em uma entrevista que pouco ajudou em esclarecer sua relação com o caso PC Farias.

Agora, com a experiência de quem sofreu um processo de impeachment, o atual senador considera que Jair Bolsonaro tem adotado em seu governo um rumo negativo, que pode lhe colocar em “palpos de aranha“.

Na sua leitura, o atual ocupante do Palácio do Planalto parece não ter “noção” do que está fazendo, ao manter o discurso radicalizado de campanha. E poucos podem ter uma leitura tão acurada quanto Collor nesse assunto.

“Cabe ao Presidente da República abrandar as paixões e procurar unir o país em torno de propostas em favor da nação. E isso nós não estamos vendo acontecer. Nós estamos vendo, ao contrário, é um aprofundamento desse abismo que existe na sociedade brasileira, porque o tom do governo é fortemente ideológico, carregado na questão ideológica”. Fernando Collor, ex-presidente.

Jair Bolsonaro (PSL) não quer se associado com Bivar, presidente do próprio partido

Saída do PSL

O presidente também afirmou que, numa escala de 0 a 100, é de 80% a probabilidade de que saia de seu partido, o PSL. E, nesse caso, há 90% de chance de que funde um novo partido.

“Eu pago a conta sobre qualquer desvio de terceiro no partido. E a mesma coisa acontece no tocante a fundo partidário”, afirmou Bolsonaro, que trava embate com o presidente nacional da sigla, o deputado Luciano Bivar (PE). Segundo Bolsonaro, ou ele passa a ter o comando das ações no partido ou pode vir a sair da sigla.

“Quero que o partido não tenha problema nas eleições municipais do ano que vem e numa possível reeleição minha em 2022. 80% pra sair e 90% pra criar um novo partido. Que vai começar do zero. Sem televisão, sem fundo partidário, sem nada”. Jair Bolsonaro.