14 de maio de 2021Informação, independência e credibilidade
Mundo

Cientistas americanos descobrem genes que impedem a ação do coronavírus

Resultado da pesquisa ajuda a controlar a infecção viral, segundo os pesquisadores

Pesquisa científica avança na busca da cura contra o coronavírus

Cientistas norte-americanos identificaram um conjunto de genes humanos que lutam contra a entrada do Sars-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, nas células.

Saber quais componentes do DNA ajudam a controlar a infecção viral pode melhorar muito a compreensão dos pesquisadores sobre os fatores que afetam a gravidade da doença e também sugerir possíveis opções terapêuticas. O estudo foi publicado na revista Molecular Cell.
“Queríamos obter uma melhor compreensão da resposta celular ao Sars-CoV-2, incluindo o que leva a uma resposta forte ou fraca à infecção”, disse Sumit K. Chanda, Ph.D., professor e diretor do Instituto de Imunidade e Patogênese do Programa da Sanford Burnham Prebys e principal autor do estudo. “Obtivemos novos insights sobre como o vírus explora as células humanas que ele invade, mas ainda estamos procurando seu calcanhar de Aquiles para que possamos desenvolver antivirais ideais.”
Logo após o início da pandemia, os médicos descobriram que uma resposta fraca do interferon à infecção por Sars-CoV-2 resultou em alguns dos casos mais graves de covid-19. Esse conhecimento levou Chanda e colegas a pesquisar os genes que são acionados por essas proteínas, conhecidos como genes estimulados por interferon (ISGs), que atuam para limitar a infecção.

Com base no conhecimento obtido do Sars-CoV-1, vírus que causou um surto mortal, mas relativamente breve, da doença de 2002 a 2004, e sabendo que era semelhante ao Sars-CoV-2, os pesquisadores desenvolveram experimentos de laboratório para identificar os ISGs que controlam a replicação viral na covid-19.

“Descobrimos que 65 ISGs controlaram a infecção por Sars-CoV-2, incluindo alguns que inibiram a capacidade do vírus de entrar nas células, alguns que suprimiram a fabricação do RNA, que é o sangue vital do vírus, e um agrupamento de genes que inibiu a montagem do micro-organismo”, detalhou Chanda. “O que também foi de grande interesse foi o fato de que alguns dos ISGs exibiram controle sobre vírus não relacionados, como a gripe sazonal, o Nilo Ocidental e o HIV, que leva à Aids”.