25 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Com as chaves do cofre do governo Centrão vai negociar salário dos servidores

Centrão assume a condição de mando no governo Bolsonaro, ignora Paulo Guedes e tratar dos reajustes salariais

Servidores fazem protesto em Brasília contra Paulo Guedes e Bolsonaro

Depois das manifestações de  protestos de representantes de pelo menos 40 carreiras do funcionalismo públic, em Brasília, para cobrar reajuste salarial de até 28%, o Centrão resolveu assumir, no lugar do governo, a responsabilidade pela solução do problema.

O presidente Jair Bolsonaro defende aumento só para os policiais. Mas, como o Centrão tem o controle do governo e do parlamento e ainda recebeu as chaves dos cofres da União do próprio Bolsonaro, as lideranças decidiram agir para evitar uma greve geral no País.

Nesta quarta-feira, os manifestantes realizaram vários atos de protesto contra Bolsonaro e  ainda centraram ataques no ministro da Economia, Paulo Guedes.

O governo tem até sexta-feira para sancionar o Orçamento, que reserva R$ 1,7 bilhão para reajuste salarial apenas de integrantes da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), que são base de apoio do Executivo.

Para fechar as contas, portanto, será necessário cortar R$ 9 bilhões em despesas. E o Centrão já avisou que vai turbinar o Fundo Eleitoral, dos R$ 4,9 bilhões previstos na peça orçamentária, para R$ 5,7 bilhões. Para conceder reajuste aos servidores, seria preciso cortar mais despesas ou buscar novas fontes de receita.

Mobilização irreversível

O funcionalismo está irredutível na mobilização por aumento salarial. Além dos atos de ontem, ameaça greve geral no mês que vem, se não for atendido. Se fosse concedido o reajuste de até 28%, a folha de pessoal da União cresceria mais de R$ 80 bilhões por ano. Seriam despesas permanentes.

Os atos da quarta-feira, 19, foram liderados pelo Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), que reúne 37 categorias da elite do funcionalismo público; e pela Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), representante do carreirão — que engloba cerca de 80% dos funcionários federais.

Na abertura do primeiro ato, no estacionamento do BC, o presidente do Fonacate, Rudinei Marques, disparou contra o titular da equipe econômica. “O ministro Paulo Guedes chama os servidores de parasitas, diz que vai colocar uma granada no bolso dos servidores. Pois bem, hoje (ontem) é o dia de o serviço público federal devolver a granada para o bolso do ministro Paulo Guedes. Que se exploda o ministro que não acredita no seu país, que tem dinheiro aplicado em paraísos fiscais”, discursou.

Ele também defendeu a saída de Guedes. “Um ministro que não acredita na sua economia não tem condições de ficar à frente de um ministério tão importante, que deveria estar trabalhando para a retomada do desenvolvimento nacional”, frisou. De acordo com Marques, os servidores não vão mais tolerar o tratamento que vêm recebendo. “São cinco anos de congelamento salarial, são três anos de ataques e agressões aos servidores públicos. É o momento de dizer basta.”

No segundo ato, em frente ao Ministério da Economia, os manifestantes também miraram em Guedes, enfatizando que o ministro “vai cair”. Marques disse que “ninguém merece reajuste diferenciado” e criticou Bolsonaro. “O presidente da República desrespeita os servidores ao sinalizar positivamente a recomposição para uma categoria, não cumprindo a ordem constitucional e de normas internacionais de tratar a todos com respeito e igualdade”, sustentou.

De acordo com Marques, o Fonacate — representante de 37 categorias do funcionalismo — enviou ofício a Guedes, no qual reitera o pedido de reunião, por videoconferência ou presencial, a fim de tratar da pauta salarial. O documento destaca que as perdas inflacionárias dos servidores federais — acumuladas desde 2017, para 80% dos servidores; e desde 2019, para os demais — corroeram cerca de 1/4 do poder aquisitivo.