27 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Economia

Com conta no exterior, Guedes fez ‘muita besteira’ pra ficar mais rico com disparada do dólar

Ministro da Economia faturou milhões com a desvalorização do Real, moeda que mais perdeu valor em 2020 e que tem péssimo desempenho em 2021

Foi confirmado por um consórcio internacional de imprensa aquilo que já se esperava: o ministro da Economia, Paulo Guedes, possui alguns milhões de dólares fora do Brasil. Mais especificamente na Dreadnoughts International, sua offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe.

A “pequena fortuna” dele, US$ 9,54 milhões depositados por causa da reeleição de Dilma Rousseff em setembro de 2014, foi sua providência para manter parte da sua dinheirama longe das turbulências da economia brasileira. Turbulência criada, diga-se de passagem, por gente como ele: especuladores, sabotadores da Economia brasileira.

Abrir uma offshore ou contas no exterior não é ilegal. Basta declarar à Receita Federal e ao Banco Central. A coisa muda de história quando se trata de servidores públicos: o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal, instituído em 2000, proíbe funcionários do alto escalão de manter aplicações financeiras, no Brasil ou no exterior, passíveis de ser afetadas por políticas governamentais.

Guedes é de alto escalão, simplesmente o ministro da Economia de Jair Bolsonaro. Que acabou ficando muito mais rico por causa de sua incompetência no gerenciamento da Economia nacional. E com a conta no exterior, nem dá pra saber se não houve uma sabotagem estratégica, de quem com os mesmo US$ 9,54 milhões possui agora mais de R$ 50 milhões.

Se fizer besteira, dólar sobe

Com declarações que fariam Caco Antibes, icônico personagem de Miguel Falabella no Programa Sai de Baixo e possuia “horror a pobre” ficar orgulhoso, Guedes vez ou outra dava suas ratadas.

Incomodava que o filho do porteiro frequentasse a mesma faculdade que seus filhos. Ou que empregadas estivessem viajando demais para a Disney, ao invés de conhecer o próprio Brasil. Frases que sabemos, hoje, eram ditas por alguém com muitos dólares lá fora e que apenas lucrava cada vez que a moeda nacional se desvalorizava.

É um câmbio que flutua. Se fizer muita besteira pode ir para R$ 5. Se fizer muita coisa certa, ele pode descer“.

A frase acima foi dita por Guedes em março de 2020 com o dólar valendo R$ 4,60, uma semana antes do Real despencar. No dia 12/3, pela primeira vez na história, um dólar valia mais do que cinco reais. Feita a “besteira”, ele tentou se justificar:

Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vamos importar menos, fazer substituição de importações, turismo. (Era) todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada“.

Façamos uma conta simples: com o dólar a R$ 1,80, os US$ 9,54 milhões no paraíso fiscal de Guedes emplacavam “apenas” R$ 17,17 milhões. Com o dólar a 5 reais, a fortuna de Guedes saltava para R$ 47,7 milhões. Nos dias que o dólar passou dos seis reais, Guedes estava confortável, com mais de R$ 57 milhões.

Bolsonaro recebeu o governo já com desconfortáveis R$ 3,50, prometendo uma valorização da moeda nacional. O filho 03 dele, Eduardo Bolsonaro, inclusive dava dicas de que isso poderia acontecer: “não compre dólar agora”, disse ele em um tweet infame e que envelheceu muito mal.

Não se engane: para gente assim, quanto pior para você, melhor para eles. Ainda mais se atentarmos que é assim que ele trata a imagem do servidor público:

O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, além de ter estabilidade na carreira e aposentadoria generosa. O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita“.

Guedes, realmente, é um “tigrão” com os pobres e “tchutchuca” com os ricos.