27 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Justiça

Concurso para a PM de Alagoas pode ser suspenso e candidatos indenizados

Grupo de 150 pessoas teria comprado o gabarito da prova e até mesmo homem com passagens na prisão foi aprovado

Foto: Reprodução

Foi protocolado no Tribunal de Justiça de Alagoas uma ação popular, de candidatos do último concurso para a Polícia Militar do Estado, que pede a suspensão da prova para o cargo de Soldado combatente. Além disso, os candidatos pedem pagamento de indenização por dano moral aos candidatos, no valor total de R$ 3 milhões de reais.

Para o grupo, Cebraspe, organizador do certame, teria agido com omissão permitindo, por exemplo, a entrada de candidatos ligados ao crime organizado.

Além disso, o pedido reforça que a Polícia Militar de Alagoas não permite que aliados de organizações criminosas façam parte de seus quadros, já que a corporação exige do candidato idoneidade moral, além da necessidade de não exercer nem ter exercido atividades prejudiciais ou perigosas à Segurança Nacional.

A ação pede também que seja determinada a rescisão do contrato entre o Estado de Alagoas e o Cebraspe, caso a fraude seja comprovada e que seja declarada a nulidade do resultado oficial do concurso público.

Fraude

Um homem foi preso na sexta-feira (10) por desacato depois de ter sido denunciado por vizinhos por conta de som alto no bairro Santa Lúcia, parte alta da capital.

No local, havia uma comemoração de aprovados no Concurso Público para ingresso na Polícia Militar de Alagoas. Entretanto, o homem preso teria no “currículo” 7 prisões. Além disso não preencher os requisitos do certame, ele só teria a 4ª série do Ensino Fundamental.

A polícia também vai investigá-lo por suspeita de fraude. Paralelamente, uma outra denúncia dá conta de que um grupo de União dos Palmares, cerca de 150 pessoas, que teria comprado o gabarito da prova realizada no dia 15 de agosto. As respostas corretas da prova teriam sido clonadas, e daí viria a aprovação de presidiários ou ex-presidiários.

Outro lado

O Cebraspe diz que os procedimentos de segurança não se limitam ao momento de aplicação das provas e que é possível a identificação e a eliminação de pessoas que possam ter se utilizado de meios ilegais mesmo após a aplicação das provas.

“O Cebraspe informa que os procedimentos de segurança do Centro não se limitam ao momento de aplicação das provas e abrangem todas as etapas do certame. Assim, é possível a identificação e a eliminação de pessoas que possam ter se utilizado de meios ilegais mesmo após a aplicação das provas. Informa, ainda, que, conforme o edital do certame da Polícia Militar do Estado de Alagoas (PMAL), se, a qualquer tempo, for constatado, por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico ou por investigação policial, que o candidato se utilizou de processo ilícito, suas provas serão anuladas e ele será eliminado do concurso público. Por oportuno, esclarece-se que o Centro já se colocou à disposição da polícia e é o maior interessado em esclarecer os fatos”. Nota do Cebraspe.

Já a Secretaria de Planejamento ressaltou que já fez contato com a organização do concurso para apurar os fatos, reforçando que “todo cidadão está apto a fazer a prova, desde que cumpra os requisitos previstos no edital, e que, para além dos exames, há, ainda, outras etapas eliminatórias que integram o certame”.

“A Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) informa que já entrou em contato com o Cebraspe, banca responsável pela organização do concurso da PMAL, para que seja feita a apuração dos fatos. A Seplag reforça que todo o cidadão está apto a fazer a prova, desde que cumpra os requisitos previstos no edital, e que, para além dos exames, há, ainda, outras etapas eliminatórias que integram o certame. Caso haja comprovação de que algum candidato fez uso de meio ilícito durante a realização das provas, ou que não cumpre as demais premissas do concurso, este será eliminado do processo. A Secretaria vem acompanhando de perto todas as tratativas relacionadas ao certame, no intuito de assegurar a sua lisura e, também, de garantir que o melhor quadro de candidatos seja, de fato, selecionado para apoiar o desenvolvimento do estado de Alagoas”. Seplag.