15 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Confiança do Empresário do Comércio registra a melhor marca de 2022

Em ritmo de crescimento desde maio, indicador fechou o mês de julho com 128,9 pontos

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), mensurado em pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio AL em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), sinaliza que o desempenho manteve o ritmo de crescimento iniciado em maio, quando registrou 114,4 pontos, e fechou o mês de julho com 128,9 pontos; o melhor desempenho de 2022 e, também, dos últimos oito meses na capital alagoana.

Na variação mensal, o índice aumentou cerca de 6%, saindo de 121,6 para 128,9 pontos. E na comparação de cenários, o movimento de recuperação do otimismo do empresariado também pode ser visto no país, pois de acordo com a pesquisa nacional da CNC, o índice de confiança avançou pelo quarto mês consecutivo, alcançando a marca de 123,1 pontos, representando um aumento de 1,5% ante o mês de junho.

Variação positiva registrada, ainda, nas subcategorias que compõem o indicador. Entre junho e julho, o subíndice que mais cresceu foi a de Intenções de Investimento, o qual 10,3%. Esse desempenho foi puxado pelo Indicador de Contratação de Funcionários, com variação positiva de 16,6%.

Para o assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), Victor Hortencio, esses números podem representar um segundo semestre mais otimista para quem está procurando emprego.

É que, segundo a pesquisa, 72,5% das empresas varejistas pretendem aumentar o número de funcionários nos próximos meses. “Esse dado confirma o saldo positivo de 905 postos de trabalho gerados só na capital alagoana, em junho, segundo números do CAGED”, diz.

Ainda de acordo com o economista, o segundo semestre traz outras perspectivas positivas, pois as maiores datas comemorativas do ano, a exemplo da Black Friday e do Natal, que geram uma expectativa importante para os empresários, não apenas em termos de faturamento, como também no planejamento de contratações, renovação de estoques e reformas nos estabelecimentos.

O subíndice Condições Atuais do Empresário do Comércio, considerado importante para o crescimento econômico, cresceu 4,7%. Um fator que pode ter impactado positivamente esse indicador foi o aumento de 50% do Auxílio Brasil, o que reforçando a renda de milhares de famílias brasileiras.

“Todavia, é importante lembrar que, mesmo diante destas informações otimistas, teremos eleições no segundo semestre, o que pode gerar uma incerteza. Além disso, ainda vivemos uma conjuntura apertada de inflação alta e taxas de juros acima dos 10%”.