14 de julho de 2024Informação, independência e credibilidade
Brasil

Consultor do mercado: propõe reduzir previdência e salários de servidores

Segundo Armínio Fraga, Previdência Social, funcionalismo e gastos tributários, aumentam as contas públicas.

Armínio Fraga, ex-presidente do BC

Representante dos investidores no mercado de capitais, o ex-presidente do Banco Central, economista Armínio Fraga, diz que a situação fiscal do país é frágil e que, é preciso centrar forças em três grandes blocos de despesa:

-Previdência Social, funcionalismo e gastos tributários, a situação das contas públicas.

Em entrevista ao jornal O Globo, ele destaca que o Brasil está com uma situação fiscal muito frágil, bastante dívida, tem muita pressão em cima do Banco Central (para reduzir juros e as despesas financeiras).

“Estamos com um déficit primário (receita menos despesa antes do pagamento dos juros da dívida) já há bastante tempo, desde o colapso da Dilma (Dilma Rousseff, presidente que sofreu impeachment).”, disse.

Acrescentou que teve alguns momentos, quando ele diminuiu, que houve uma contenção enorme de gastos, congelamento de salários no governo anterior, mas, no geral, a situação fiscal já vem ruim há bastante tempo.

“A dívida caiu como proporção do PIB durante um período, porque a inflação subiu muito e o juro estava baixo por causa da crise (da pandemia). Mas houve um período de uns 18 meses, quando a taxa de juros real ficou muito baixa, ficou muito negativa e, além disso, as receitas advindas de um boom de commodities também ajudaram no fiscal”, declarou.