28 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Interior

Crise do Programa do Leite: Inácio Loiola sugere criação da Frente Parlamentar

Falta de recursos para o pagamento aos pequenos produtores de leite que abastecem o Programa do Leite, o criador se ressente da ausência da assistência técnica

O deputado estadual Inácio Loiola (PDT), em seu primeiro pronunciamento no plenário na Assembleia Legislativa do Estado, na tarde de quarta-feira (20), defendeu a criação da Frente Parlamentar da Bacia Leiteira de Alagoas com a finalidade de encontrar soluções para a crise da pecuária alagoana e a manutenção do Programa do Leite para atender as famílias humildes.

O parlamentar ainda cobrou ações da Casal para restabelecer a distribuição de água no sertão alagoano.

Embora seja referência para a Região Nordeste, o polo leiteiro de Alagoas hoje atravessa sérias dificuldades, pontuou o deputado estadual. Segundo ele, além da falta de recursos para o pagamento aos pequenos produtores de leite que abastecem o Programa do Leite, o criador se ressente da ausência da assistência técnica.

O atraso de meses do Programa do Leite ao produtor requer decisões imediatas porque o produtor do campo não dispõe de capital para adquirir insumos para o seu rebanho e garantir a sobrevivência da família.

O deputado estadual cita a falta de recursos humanos na Secretaria de Estado da Agricultura para prestar assistência ao homem do campo. A consequência surge ao longo do tempo, com a perda de capacidade e de produtividade do produtor alagoano, apesar da vocação natural comprovada do Estado para a criação de rebanho bovino de leite.

“Não é à toa que muitos técnicos e criadores dos estados vizinhos visitavam no passado as propriedades alagoanas para conhecer a nossa capacidade de produzir leite de qualidade. Éramos referência”. Inácio Loiola (PDT), deputado estadual.

A Frente Parlamentar da Bacia Leiteira de Alagoas terá o apoio de outros parlamentares a exemplo do deputado estadual Paulo Dantas (MDB), Chico Tenório (PMN) que subscreverão o pedido de sua criação.

A deputada jó Pereira (MDB) também para falar sobre a importância estratégica nessa legislatura dos deputados ampliarem o fortalecimento na atuação na Casa e para denunciar que os pequenos e médios produtores, que atuam junto ao Programa do Leite, estão há quase 120 dias sem receber pelo seu trabalho.

A deputada também lembrou que o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep) aprovou a liberação de R$ 20 milhões, mas o Governo do Estado só autorizou o pagamento de pouco mais de R$ 7 milhões.

“São vários, talvez a totalidade dos pequenos e médios produtores, que atuam no Programa do Leite, e estão em total desespero, sem mais saber a quem procurar, sem posição e sem entender esses dias de não recebimento pelo seu trabalho. Cadê as posições? Cadê as respostas? O Executivo precisa responder e ser transparente no que pode fazer, com urgência”. Jó Pereira (MDB), deputada estadual.

Água

A população do Sertão e do Agreste sofre não apenas com a falta de pagamentos do Programa do Leite e com o calote das indústrias de laticínios que impactam no comércio das cidades. Inácio Loiola também reclamou e cobrou providências urgentes à Casal para restabelecer o abastecimento de água nas comunidades.

Ele considera absurdo as famílias não disporem de água nas torneiras de suas residências. E, o mais alarmante, não é por falta de água como ocorrem algumas regiões do Nordeste. É displicência da Casal que até o momento não consertou os motores bombas que fazem a captação e jogam nas redes de distribuição. “Vamos estar vigilantes reivindicando rapidez na regularização da distribuição de água”.

No final de janeiro, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MP/AL), expediu recomendação para que a Companhia de Abastecimento de Água e Saneamento do Estado de Alagoas (Casal) não cobre as tarifas de abastecimento dos municípios da Região da Bacia Leiteira do estado relativas aos meses de dezembro de 2018, janeiro e fevereiro de 2019.

De acordo com o documento, foi alegado que a falta de água foi causada pela queima do conjunto de motobombas da estação de captação de Pão de Açúcar que integra o sistema coletivo da Unidade Bacia Leiteira. Sem o funcionamento do equipamento, que retira água do Rio São Francisco, os municípios de ficaram sem os serviços que deviam ser prestados pela Casal.