28 de novembro de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Dando uma de vítima na ONU, Bolsonaro fará discurso que apoiadores querem ouvir

75ª edição da Assembleia Geral será realizada este ano de forma virtual e o presidente do Brasil é o primeiro país a fazer um pronunciamento

A 75ª edição da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) será realizada este ano de forma virtual, por causa da pandemia do novo coronavírus.

Nesta terça-feira (22), em Nova Iorque, começa o debate com a participação de líderes mundiais. Tradicionalmente, o Brasil é o primeiro país a fazer um pronunciamento e o presidente Jair Bolsonaro enviou uma declaração gravada.

Como em 2019, quando discursou pela primeira vez na ONU, Bolsonaro deve falar sobre a Amazônia e as políticas ambientais do seu governo.

A abertura oficial da Assembleia Geral será transmitida pela ONU, e pode ser acompanhada no link, a partir das 10h.

O Brasil de Bolsonaro

Bolsonaro fala hoje na Assembleia Geral da ONU colocando-se como vítima de uma conspiração internacional. É como se ignorasse a extensa lista de barbaridades que praticou.

Na pandemia, o presidente fez campanha contra o isolamento social, trocou dois ministros da Saúd, brigou com governadores, fez propaganda de um remédio inócuo, gastou menos dinheiro do que poderia e não foi capaz de fazer a coordenação nacional que se esperava dele.

Até agora, 138 mil mortes por covid-19, muitas das quais poderiam ter sido evitadas.

Já no meio ambiente, houve redução da fiscalização, não conseguiu inibir queimadas, foi solidário com garimpeiros, anunciou apoio à grilagem e foi ineficiente na repressão a invasores de terras indígenas.

A ideia é levantar a voz contra as críticas quase unânimes de dirigentes de outras nações, que colocam o presidente brasileiro entre os piores tanto no combate à pandemia quanto à depredação da natureza.

No Planalto, interlocutores do presidente apostam em um discurso de Bolsonaro na ONU sem ataques, moderado, mas com críticas veladas a chefes de Estado e ao globalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.