6 de março de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Deputado do PSL é denunciado por usar dinheiro público para reformar casa da sogra

O parlamentar nega a denúncia que veiculou no programa Fantástico da TV Globo

Deputado Ruy Irigaray usou dinheiro da Assembleia para reformar casa da sogra

O deputado estadual Ruy Irigaray (PSL-RS) é acusado de usar verba pública para pagar assessores que teriam reformado a casa da sogra do congressista.

Além da obra, os servidores públicos também teriam realizado atividades na propriedade, como faxinas. Ainda seriam responsáveis por cuidar das filhas do deputado.

As informações foram divulgadas pelo programa Fantástico, da TV Globo, nesse domingo (14.fev.2021). Por meio de seu perfil no Instagram, Iriganay afirmou que as denúncias são falsas e que tomou as medidas judiciais cabíveis.

As acusações foram feitas ao MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul) por Cristina Nebas, ex-servidora, e uma assessora que não quis se identificar. O órgão afirmou que está investigando o caso, que tramita em sigilo.

Segundo o MP-RS, o denunciado pelas duas ex-assessoras “em tese pode se configurar como possíveis atos de improbidade administrativa, que importariam enriquecimento ilícito, causariam prejuízo ao erário e atentariam contra os princípios da Administração Pública pelo deputado Ruy Irigaray Junior e assessores parlamentares a ele vinculados”.

De acordo com o Fantástico, a casa está localizada em uma área nobre de Porto Alegre e é avaliada em mais de R$ 2 milhões.

A residência era usada, segundo Cristina, como uma espécie de escritório do deputado desde abril de 2020 –ao invés de trabalharem de casa, os funcionários foram remanejados para o local.

Cristina afirmou que a casa chegou a ter 15 funcionários do deputado que se dividiam entre as tarefas do gabinete e os serviços da casa. Em vídeos gravados pela ex-servidora, os funcionários aparecem trocando o piso e pintando cômodos do imóvel.

Alguns assessores entraram para fazer exclusivamente a reforma da casa. Ele contrata pessoas pagas por nós para fazer esse tipo de trabalho. Enquanto nós deveríamos estar fazendo, todos os assessores, um trabalho para a sociedade gaúcha”, disse Cristina ao Fantástico.

A autenticidade das fotos, mensagens de WhatsApp e dos vídeos apresentados pela ex-servidora foi atestada ao programa da TV Globo pelo especialista em tecnologia Ronaldo Prass.

Entre as mensagens recebidas por Cristina estão orientações de Laura Irigaray, mulher do deputado, sobre o cuidado das duas filhas do casal. A ex-servidora as levava para atividades como aulas de inglês e partidas de tênis.

Cristina disse também que o local funcionava como um “gabinete do ódio”. Segundo ela, mais de 50 celulares eram usados para monitorar grupos de conversas e publicar notícias falsas e acusações contra filiados do PSL, partido do deputado.

O objetivo desses perfis era poder responder e questionar outros deputados sem que afetasse a imagem do deputado Rui Irigaray”, declarou a ex-servidora.

Ela ainda acusou Irigaray de instaurar um esquema de rachadinhas –prática na qual os servidores devolvem parte do salário recebido. Cristina afirmou que não aceitou participar, mas que colegas eram parte do esquema.

Ao Fantástico, Irigaray negou. Eu, graças a Deus, não faço essa prática aqui no meu gabinete e não tenho necessidade disso. E mesmo que tivesse, não faria”, disse.