27 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Governo

Dia do Gestor: Rede estadual conta história de diretores que fazem diferença na educação

‘Quando o estudante se sente protagonista e é compreendido tudo acontece de forma pacífica na escola”, diz a diretora

Por Beatriz Rodrigues

Quitéria Alves, gestora da escola estadual de Santana do Mundaú, na zona da mata alagoana/Fotos Thiago Ataíde

De longe dá pra enxergar o sorriso da Quitéria Alves, que dedica grande parte da sua vida em prol da educação. Só na rede estadual, a professora de português acumula mais de 20 anos de profissão. Atualmente, diretora da Escola Estadual Manoel de Matos, que fica em Santana do Mundaú, ela abraçou seu quarto mandato como diretora de coração aberto e hoje, no Dia do Gestor Escolar, ela comemora essa conquista nesse que, ‘é o melhor lugar de se estar’.

Segundo Quitéria, ser diretora é trabalhar a harmonia das atividades escolares, estar presente em todos os passos dos alunos, professores e da unidade. Ao lado da diretora adjunta, Maria Lúcia Lourenço, ela cumpre um papel fundamental dentro da unidade. “Nossa função aqui é promover a democracia, trazer a oportunidade aos nossos alunos e professores, respeitar a individualidade de cada um e comemorar as conquistas com todos. ” acrescenta.

A gestora trata todos os seus alunos como se fossem seus filhos, se preocupando com cada detalhe. Se um aluno falta, ela procura saber o que aconteceu, e caso o alguém precise de ajuda, mesmo que não seja relacionado ao ambiente escolar, ela acolhe. Quitéria, assim como todos os mais de 600 gestores das escolas de regime parcial, em eleição geral com a comunidade escolar.

“Em Alagoas, comemoramos esse dia com um gosto de conquista ainda mais especial. Todos os nossos gestores são eleitos democraticamente pela comunidade escolar, o que garante que eles sejam a maior representatividade e liderança da Educação entre os professores, pais e alunos. Particularmente, sou um grande admirador dessa profissão, que são nossos olhos e ouvidos dentro das unidades de ensino e, sem dúvidas, cumprem um papel fundamental na vida e no futuro das nossas próximas gerações”, parabeniza o secretário da Educação, Rafael Brito.

Bom filho à casa torna

‘Um bom filho à casa torna’. Essa frase resume um pouco a história do Lucas Cledson Batista, que estudou na Escola Estadual Professora Josefa Conceição da Costa, que fica em Maceió, se formou em História licenciatura, alguns anos depois, retornou como professor e atualmente é diretor adjunto da unidade.

“Pra mim trabalhar como gestor é tratar a escola como extensão da minha vida. Enxergo nos meus alunos o que eu fui um dia e projeto para eles um caminho igual ou melhor que o meu. Minha gestão tem a confiança como base. Acredito que todos  devem confiar na nossa gestão pois temos um interesse em comum com a sociedade: queremos oportunidades e vitórias dos nossos jovens”.

Gestores e alunos da Escola Estadual Manoel Matos

As coincidências na vida do Lucas não param por aí. Filho da professora Maria José Batista, que também trabalha na unidade. Ele enxerga nos seus alunos o seu passado e com isso, consegue planejar uma gestão que melhore ainda mais a escola e o futuro de seus alunos e colegas de trabalho, que inclui a sua mãe.

O segredo de uma gestão diferenciada

Tanto Quitéria Alves quanto Lucas Cledson, acreditam que o diferencial de um gestor é a confiança e a proximidade. Abraçar os alunos como se fossem seus filhos e respeitar as suas diferenças, é o caminho certo para que a educação possa fluir sem grandes obstáculos.

“Claro que nenhuma gestão é perfeita, temos problemas assim como todas as escolas. Mas quando paramos para ouvir o aluno, quando o estudante sente que é protagonista, ou quando ele é compreendido tudo acontece da forma mais pacífica. Aqui somos todos iguais, não sou melhor que eles, estamos fazendo parte do mesmo organismo, fazemos a educação em conjunto.” conclui Quitéria.

Lucas sente nostalgia ao ver seus alunos com os mesmos dilemas que ele tinha quando frequentava o mesmo espaço há alguns anos. “Vejo que eles são como eu, e a partir disso tento ser a melhor versão que posso, sabendo da importância que meu diretor teve na minha vida, e que agora, vou ter na deles”, ressalta.