25 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Disparada de casos faz brasileiros correrem aos postos para tomar dose de reforço

Número diário de vacinas aplicadas no país é o maior desde o início dessa fase da campanha

Vacinação contra a Covid em Maceió Foto: Arquivo Secom Maceió

A procura pela dose de reforço contra a Covid-19 disparou nos últimos dias no Brasil, durante a explosão de casos da doença impulsionada pela variante ômicron.

Mesmo com um apagão de dados desde dezembro, o número diário de vacinas aplicadas no país é o maior desde o início dessa fase da campanha.

A curva começou a crescer mais vertiginosamente em 4 de janeiro, dias depois de começarem a pipocar relatos de grupos inteiros infectados após as festas de fim de ano, chegando a 478 mil doses nesta segunda (10), se considerada a média móvel dos sete dias anteriores.

A corrida aos postos de imunização tem dois motivos principais, segundo especialistas: primeiro, mais gente alcançando a sua data de reforço. Em 18 de dezembro, o Ministério da Saúde reduziu o intervalo entre as aplicações de cinco para quatro meses, o que ampliou esse grupo.

O segundo, é o medo de se infectar. As buscas pelo termo “terceira dose” no Google, por exemplo, dobraram entre a última semana de dezembro e a primeira de janeiro. O interesse por todas as palavras relacionadas ao assunto, como “terceira dose Pfizer” e “dose de reforço Covid”, teve um aumento repentino.

Apesar da corrida pelo reforço, especialistas afirmam que o ritmo da aplicação ainda segue abaixo do esperado. O Brasil tem hoje apenas 14% da população com a vacina extra —78% receberam ao menos uma dose, e 68% completaram o primeiro ciclo.