20 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

É falso áudio atribuído a médico Luís Eduardo de Magalhães Lima

Médico nega autoria do áudio e diz que foi vítima de fake news

Circula em diversos grupos de WhatsApp, em Alagoas, um áudio atribuído ao médico Luís Eduardo de Magalhães Lima, no qual ele supostamente comenta algumas teorias sobre o novo coronavírus.

O áudio é acompanhado de um texto dizendo que o médico seria um dos sócios do Hospital Arthur Ramos e presidente da Associação dos Médicos de Alagoas.

Tanto o áudio quanto o texto são falsos. No áudio, o homem indica a compra de remédios e a automedicação pela população:

“Vai vir o teste rápido dentro de 15 a 20 dias no Brasil inteiro […] Em 15 minutos você sabe o resultado, deu positivo […] inicia o tratamento com a hidroxicloroquina […] É um caso onde a observação médica superou a ciência […] A comprovação está vindo depois […] 90% das pessoas não vão ter nada […] Não precisa desse isolamento horizontal”. Trecho do áudio fake.

O médico Luís Eduardo de Magalhães Lima, além de não trabalhar em nenhuma das instituições citadas na mensagem que está circulando, também diz que o áudio não foi gravado por ele, que é cardiologista, trabalha no Hospital Universitário e no Hospital do Coração, além de ser vice-presidente da Sociedade Alagoana de Cardiologia.

“Estou muito triste por ser vítima de fake news. Nesta manhã, um programa na rádio colocou esse áudio falso no ar e minutos depois eu entrei por telefone para desmentir. Nem a voz, nem as ideias são minhas. No momento, estou em casa em quarentena, afastado das minhas atividades em virtude da suspeita de Covid-19”. Luís Eduardo de Magalhães Lima, vice-presidente da Sociedade Alagoana de Cardiologia.

Embora o áudio disseminado nas redes sociais não tenha sido gravado pelo médico, ele disse que concorda com o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19.

Quanto à eficácia do medicamento no tratamento de pacientes com a doença, vale ressaltar que a Sociedade Brasileira de Imunologia (SBIM) emitiu um parecer considerando o uso precoce e alertando para os efeitos colaterais. O uso do remédio é decidido pelos médicos, avaliando cada caso, e não deve ser feito por conta própria, por meio de automedicação.

Quem gravou o áudio também diz que 86% dos municípios brasileiros não registraram casos do novo coronavírus, mas essa informação também é falsa. O coronavírus já atinge 61% dos municípios brasileiros.