29 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Expresso

É mentira que motociata de Bolsonaro em SP com “1,3 milhão de motos” entrou no Guinness

Nem multiplicando por 100 total de envolvidos bateria a marca; Somente o total de mortos por Covid-19 no Brasil, naquela semana, foi maior que o de participantes

Lembram da mentira infame de Bolsonaro sendo considerado o político mais honesto do mundo? E que chegou a viralizar próximo das eleições 2018? Pois bem: a motociata do presidente em São Paulo, no dia 12, é bola da vez entre os mentirosos e iludidos bolsonaristas.

Envolvido com milícias, rachadinhas e muito toma lá, da cá, além de todas as acusações de genocídio nesta pandemia, Bolsonaro resolveu passear de moto e inventaram que motociata entrou no Guinness Book – O Livro dos Recordes.

No entanto, não há qualquer menção ao evento no site e nos perfis oficiais da organização, nem registros sobre “a maior motociata do mundo” no site da organização, mas sim recordes mais específicos envolvendo motociclistas, como “A Maior Parada de Motocicletas da Yamaha”, “A Maior Parada de Motocicletas Militares”, entre outros.

O governo paulista calcula que o ato contou com a presença de cerca de 12 mil motos. E com quase 14 mil óbitos por covid-19 confirmados naquela semana, Bolsonaro não conseguiu nem mesmo equiparar com o total de cadáveres que vem promovendo.

A informação sobre o suposto recorde começou a circular nas redes através de postagens de apoiadores, entre eles a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Ela publicou um vídeo em seu canal no Youtube em que afirma que o ato seria “a maior motociata da história” e que o Guinness Book “estaria de olho” no evento.

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), presidente da CCJ no Congresso, também compartilhou um post no Twitter afirmando que uma “pesquisa confiável”, realizada pelo Guinnes Book, havia determinado a participação de 1.324.523 (número exato!) de motocicletas durante o evento.

“Acelera pra Cristo”

Após o início do evento, às 10h da manhã do sábado, o presidente Jair Bolsonaro interrompeu por cerca de 20 minutos o passeio de moto pelo estado de São Paulo para interagir com seguidores na pista da Rodovia dos Bandeirantes.

A parada provocou aglomeração de motociclistas, que gritavam em apoio ao presidente. No momento em que apoiadores começaram a xingar o governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), Bolsonaro reagiu com gestos com as mãos, como se regesse o coro.

Durante a parada, Bolsonaro ainda subiu na moto, balançou uma bandeira do Brasil e chegou a se enrolar nela. Apoiadores também gritaram coros como “nossa bandeira jamais será vermelha”, “eu vim de graça” e “mito”.

Naquela semana, total de mortos por Covid-19 no Brasil foi maior que o de participantes

O trajeto previsto teve 129 quilômetros de extensão, grande parte da Rodovia dos Bandeirantes, que liga a capital à região de Campos. Motos deixaram a região do Sambódromo das 10h às 10h50. Bolsonaro foi autuado por não usar máscara.

Motoqueiros e ciclistas com bandeiras do Brasil amarradas aos veículos, além de manifestantes a pé, se aglomeraram na avenida Santos Dumont para recepcionar o presidente.