15 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Embromação da ‘nova política’ no País atrapalhou os planos de Rodrigo e Rui

O dualismo político dos contra e a favor ao clima de beligerância passou a prevalecer em todo o País

Rodrigo Cunha e Rui Palmeira patinam longe do dualismo político atual

Após o golpe sofrido no Planalto pela então presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016, grande parte da sociedade e dos políticos passaram a falar de uma nova política no País, como uma promessa de que o futuro dos brasileiros seria maravilhoso.

A novidade ecoou pelos quatro cantos e o que surgiu foi o desejo mórbido de muitos de retorno aos tempos da Idade Média, com um agudo viéis de beligerância.

Assim, se instalou no Brasil uma espécie de dualismo político nesse cenário, com a favor e contra a esse norte forjado pós impecahment de Dilma Rousseff.

Novos políticos estão em toda parte, mas a maioria segue as tradições familiares que cultuam as velhas práticas.

Não foram poucos os que aderiram na eleição passada à ideia de que o “admirável mundo novo” estava se espalhando, mas logo se verificou que era apenas um surto.

Nas eleições deste ano é possível acompanhar, aqui mesmo em Alagoas, políticos jovens que surfaram nessa onda da novidade e que agora tentam se distanciar do que não deu certo. Só que agora os resultados não são os que pretendiam.

É só olhar para a disputa pelo governo do Estado. Ela está centrada e polarizada em duas correntes políticas que não têm nada a ver com novidade.

Ou seja, o que se tem é um jovem, Paulo Dantas (MDB) sob o comando da tradicional família Calheiros versus o velho Collor, do não menos tradicional estilo do “aquilo roxo”.

Seriam novos, o ex-prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSD) e o senador Rodrigo Cunha (UB). São dois ex-tucanos que tentaram se desgarrar do dualismo político de então, mas que não estão tendo boas respostas nas pesquisas feitas junto ao eleitorado.

E há poucos dias das eleições, pelas vias normais, nada tende a mudar do ponto de vista das intenções de votos do eleitorado.

Foi também nessa leitura que o velho ex-governador, ex-prefeito e atual vice-prefeito de Maceió, Ronaldo Lessa (PDT) decidiu assumir seu lado mais intenso na disputa eleitoral.

Agora, Lessa deixa para trás o lado do jovem prefeito JHC (PSB) e está celebrando uma aliança com o senador Renan Calheiros, na condição de indicado candidato a vice de Paulo Dantas.

Talvez, o novo tivesse vingado, verdadeiramente, se a história da “nova política” não fosse uma real embromação.