18 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Mundo

EUA confirmam que ataque de drone em Cabul matou 10 civis, sendo 7 crianças

“Pedimos desculpas e faremos o possível para aprender com esse erro horrível”

Um ataque de drones em Cabul no mês passado matou até 10 civis, incluindo sete crianças, disseram os militares dos Estados Unidos nesta sexta-feira (17), desculpando-se pelo que consideraram um “erro trágico”.

O Pentágono disse que o ataque de 29 de agosto tinha como alvo um homem-bomba do Estado Islâmico que representava ameaça iminente para as tropas lideradas pelos EUA no aeroporto, enquanto completavam os últimos estágios de sua retirada do Afeganistão.

As dez pessoas foram mortas quando um carro estacionado em sua casa foi alvo de uma explosão, em consequência do ataque de drone realizado no último domingo (29/8).

O Exército dos EUA afirmou que o alvo era um veículo que carregava ao menos uma pessoa associada ao Isis-K, braço afegão do grupo autodenominado Estado Islâmico, e agregou que pessoas ao redor podem ter sido atingidas em explosões que e seguiram ao ataque.

Segundo o relato dos familiares, a criança mais nova a ser morta era Sumaya, uma menina de dois anos, e a mais velha era o menino Farzad, de 12 anos. Mesmo diante do surgimento de relatos de vítimas civis, o principal general dos EUA descreveu o ataque como “justificado”.

O general dos fuzileiros navais Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, disse que no momento do ataque, estava confiante de que havia evitado uma ameaça iminente às forças norte-americanas no aeroporto.

“Nossa investigação agora conclui que o ataque foi um erro trágico”, disse a repórteres.

Ele afirmou que agora acredita ser improvável que os mortos fossem membros da afiliada local do Estado Islâmico, ISIS-Khorasan, ou representassem ameaça direta às forças dos EUA. O Pentágono avalia reparações, segundo McKenzie.

Em um comunicado, o secretário de Defesa, Lloyd Austin, disse que o ataque com drone matou o senhor Ahmadi, que trabalhava para uma organização sem fins lucrativos chamada Nutrition and Education International.

“Agora sabemos que não havia conexão entre o Sr. Ahmadi e o ISIS-Khorasan, que suas atividades naquele dia foram completamente inofensivas e nada relacionadas com a ameaça iminente que acreditávamos enfrentar”, disse Austin no comunicado.

“Pedimos desculpas e faremos o possível para aprender com esse erro horrível”.