15 de agosto de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Flagrado na corrupção Flávio Bolsonaro pede ajuda do pai no Alvorada

O filho foi recebido pelo pai no Palácio da Alvorada durante toda manhã

Enrolado até o pescoço no mar da corrupção, o senador eleito pelo PSL do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, esteve neste sábado, 19, no Palácio da Alvorada para pedir a ajuda do pai, Jair Bolsonaro, diante das novas revelações feitas pelo Coaf sobre depósitos em dinheiro na conta dele. A crise chegou dentro do novo governo, que sequer começou de fato.

De acordo com os dados do do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) revelaram que o ex-assessor dele, Fabrício Queiroz, movimentou R$ 7 milhões em 3 anos, recursos com origem nos cofres da Assembleia Legislativa do Estado do Rio.

A informação é do jornal O Globo.

Flávio e Queiroz: corrupção

Além do R$ 1,2 milhão movimentado por Queiroz de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, o ex-motorista e ex-assessor de Flávio teria movimentado R$ 5,8 milhões nos 2 anos anteriores.

Desse dinheiro, em apenas um mês, Queiroz fez pelo menos 48 depósitos na conta do próprio Flávio Bolsonaro. Os depósitos foram feitos em espécie.

Queiroz não compareceu aos depoimentos marcados para prestar esclarecimentos ao Ministério Público sobre a movimentação suspeita divulgada em relação a 2018. O ex-motorista passa por 1 tratamento contra 1 câncer.

O senador eleito pelo Rio também não respondeu ao convite feito pelo MP. Ao assumir uma cadeira no Senado, ele terá a prerrogativa de indicar a data que deseja ser ouvido. Flávio foi convidado em dezembro, após Fabrício Queiroz faltar pela 2ª vez (21.dez.2019) a 1 depoimento que iria prestar ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro).

Flávio Bolsonaro disse que cabe a Queiroz explicar o caso, mas disse ter ouvido uma “justificativa bastante plausível” para o caso, sem relevar seu teor. Flávio pediu que o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendesse a investigação. O pedido foi acatado pelo ministro Luiz Fux.