20 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Internautas cobram da CPI investigação contra Unimed que distribuiu Kit Covid

Unimed diz que uso do Kit nunca foi diretriz nacional e que as empresas que distribuíram se apararam no parecer do CFM

Unimed é denunciada pela distribuição do Kit Covid

Depois das denúncias contraa Prevent Senior, que atuou na corrente negacionista da vacinda contra a Covid e foi parar na CPI do Senado, agora as denúncias que surgem na imprensa nacional são contra a Unimed, que também distribuiu o Kit Covid.

As denúncias contra o sistema Unimed, a maior cooperativa da área de saúde do País, estão pipocando, após a revelação de que pelo menos quatro unidades da rede disponibilizaram gratuitamente a profissionais de saúde e clientes o kit composto de cloroquina, azitromicina e ivermectina.
O Kit já foi revelado, cientificamente, como ineficaz para o tratamento do virus que espalhou pelo mundo e matou, até então 600 mil brasileiros.
As 4 unidades das Unimed denunciadas são de Brusque (SC), Belém (PA), Fortaleza (CE) e Natal (RN).

Mostradas de forma esparsa pela imprensa ao longo da pandemia, imagens dos kits e de receituários timbrados com os logotipos das cooperativas voltaram a circular nas redes sociais esta semana, por ocasião das revelações da CPI. Os posts cobram a ampliação das investigações conduzidas pelo Congresso Nacional, já que o escândalo envolvendo Prevent Sênior soa como a ponta de um iceberg.

 

 

A Unimed Brasil, representante institucional do sistema, alega que o uso do kit COVID nunca foi uma diretriz nacional e ressalta que as cooperativas regionais são independentes entre si.

Essas empresas, por sua vez, amparam suas condutas no Parecer CFM 04/2020, de 17/03/2020, que estabelece total autonomia médica para prescrição de medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina para o tratamento da COVID-19, agora foco de ação da Defensoria Pública da União (DPU).

A postura é semelhante entre associações e conselhos profissionais dos estados em que as operadoras atuam. Especialistas em bioética, contudo, alertam para o fato de que a indicação do kit ineficaz constitui séria violação do código de ética médica, da legislação brasileira, além de tratados internacionais de direitos humanos .