28 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Artigo

Líder fascista reúne milhares de apoiadores em passeio de moto

Ditador acreditava que o passado deveria ser destruído em nome do novo e evento demonstrava que sua ideologia representava o futuro

O líder do Partido Fascista da Itália, Benito Mussolini, realizou em 1933 um passeio de moto com seus apoiadores, pela cidade de Roma. Na época, o evento teve grande repercussão.

Fascista, Mussolini gostava de passar a imagem de um líder dinâmico, além garantir a proximidade com seus seguidores, passando a imagem de “ser como eles”.

Com o país passando por mudanças, ele acreditava que o passado deveria ser destruído em nome do novo. E demonstrar que sua ideologia representava o futuro.

Mussolini foi o fundador do fascismo, que exaltava o ufanismo e nacionalismo. Completamente contra a agenda liberal, ele se declarava um ferrenho adversário dos comunistas e não acreditava que havia uma “luta de classes”,

Atrelado à censura, aproveitava da maciça propaganda do Estado e culto à personalidade em volta do líder para manter sua popularidade, mesmo em tempos difíceis, conquistando muita admiração.

O fascismo de Mussolini foi o primeiro movimento político a ser equipado com uma milícia paramilitar, que corresponde exatamente a seus seguidores. Uma violência minoritária e quase profissional, que chegou ao poder e se tornou objeto de desejo político.

Morte

Aliado de Adolf Hitler na 2ª Guerra Mundial, Benito Mussolini morreu em 28 de abril de 1945, nos últimos dias da Guerra. O ditador foi executado sumariamente por antifascistas, no vilarejo de Giulino di Mezzegra no Norte da Itália.

A versão “oficial” dos eventos é que Mussolini foi alvejado por Walter Audisio, um partidário comunista que usava o nome de guerra de “Coronel Valerio”.

O corpo de Mussolini foi então pendurado de cabeça para baixo em um posto de combustível. Pessoas atiraram e bateram nele com paus, chutes e pedradas. Também arremessaram frutas podres, fezes e urinaram nele.

Entretanto, desde o fim da guerra, as circunstâncias da morte de Mussolini e a identidade do assassino fazem parte de constantes confusões, disputas e controvérsias na Itália.