28 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Lula lança pré-candidatura em sua maior aliança desde 1994

Não que a mesma tenha tido conflitos internos e desgaste com algumas de suas falas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lança hoje (7) sua chapa com o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), após um período de declarações desastradas, divergências na coordenação de campanha e em meio a rusgas internas.

Alckmin, no entanto, deverá participar apenas virtualmente após ter recebido o diagnóstico de Covid-19 nesta sexta (6). Apresentando sintomas leves da doença, ele deverá falar ao vivo, em um telão.

O ato deste final de semana foi pensado para oficializar a frente ampla que Lula tenta construir e cujo mote será “vamos juntos pelo Brasil”.

O slogan irá incorporar as cores verde e amarela da bandeira brasileira —sem deixar de lado o vermelho, tradicionalmente associado ao PT. E a expectativa entre pessoas ligadas à pré-campanha é que o ato deixe para trás essa fase de instabilidade.

Organizadores afirmam que o ato deverá reunir 4.000 pessoas. Desse número, 2.000 convites seriam do estado de São Paulo, 1.000 para representantes de movimentos sociais, populares e sindicais, e o restante para os partidos aliados, autoridades, artistas e intelectuais.

Alianças

O ex-presidente Lula (PT) voltou a reunir parceiros históricos na maior aliança de uma campanha sua desde 1994. Metade das seis siglas confirmadas na frente Vamos Juntos pelo Brasil já participou de uma aliança com o petista anteriormente.

Até então, já oficializaram apoio a Lula PCdoB e PV, que formaram federação com o PT; PSB, por meio do vice Geraldo Alckmin (PSB); PSOL, Rede e Solidariedade. Ainda há a possibilidade que outros partidos se juntem ao grupo.

Esta é a maior aliança em torno do ex-presidente junto à campanha desde 1994 —naquele ano, a chapa puro-sangue, com o ex-ministro Aloízio Mercadante como vice teve perfil semelhante, com PSB, PCdoB, PV, PPS (hoje, Cidadania), PCB e PSTU.

Mas quem reuniu as maiores coligações entre os candidatos petistas não foi Lula, mas a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Em 2010, auge da popularidade e da aprovação de Lula, o PT conseguiu reunir dez partidos em torno da sucessora contra o senador José Serra (PSDB). Em 2014, na reeleição, reuniu nove siglas contra o deputado Aécio Neves (PSDB).

  • Lula em 1989: PT, PSB e PCdoB
  • Lula em 1994: PT, PSB, PPS, PV, PCdoB, PCB e PSTU
  • Lula em 1998: PT, PDT, PSB, PCdoB e PCB
  • Lula em 2002: PT, PL, PCdoB, PMN e PCB
  • Lula em 2006: PT, PRB e PCdoB
  • Dilma em 2010: PT, PMDB, PDT, PCdoB, PSB, PR, PRB, PSC, PTC e PTN
  • Dilma em 2014: PT, PMDB, PSD, PP, PR, PDT, PRB, Pros e PCdoB
  • Haddad 2m 2018: PT, PCdoB e Pros
  • Lula em 2022: PT, PCdoB, PV, PSB, PSOL, Rede e Solidariedade