29 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Maceió

Mãe não sabia que estava grávida e bebê nasce em UPA de Maceió

Paciente havia dado entrada queixando-se de dor pélvica e sangramento ao urinar, momentos antes de iniciar o parto

Nesta sexta-feira (04), a equipe da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Cidade Universitária, gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), se surpreendeu com um atendimento inédito.

A paciente Claudiane da Silva, de 34 anos, residente na capital alagoana, procurou a UPA queixando-se de dor pélvica e sangramento ao urinar. Depois de avaliação médica, a equipe descobriu que a paciente estava grávida e perto de iniciar o trabalho de parto.

O pequeno Luiz Otávio nasceu lá mesmo na UPA, de parto normal e sem intercorrências, pesando 2,89 kg e 46,5 cm. Ele é, agora, o filho mais novo de Claudiane que já tinha uma adolescente de 17 anos, a Ana Alice. Após o parto, o bebê e a mãe foram encaminhados para a Maternidade Santo Antônio, localizada no bairro do Centro, em Maceió, e estão bem.

A parturiente afirmou não saber com quantas semanas de gestação ela estava quando procurou a UPA.

“Eu não sabia nem que eu que estava grávida. Eu só sabia que estava há cinco meses sem menstruar. Cheguei a fazer dois testes de farmácia, mas eles deram negativo. Quando soube que ia ter um bebê eu fiquei em choque, mas eu e minha família estamos muito felizes”.

O atendimento clínico da paciente foi realizado pela médica Uiala Oiticica e o parto, pelos médicos Elvys Pereira, Halbate Crima e Jefferson Cavalcante. Apesar de a UPA não possuir suporte obstétrico e neonatal, o parto ocorreu relativamente rápido e sem complicações.

Foram realizados, ainda na UPA, os cuidados à puérpera, como o delivramento da placenta, a revisão da cavidade uterina e suturas em algumas lacerações no canal do parto. Já o bebê teve as vias aéreas aspiradas, limpo, aquecido com um foco de luz (que normalmente é utilizado para procedimentos cirúrgicos de baixa complexidade) na falta de um berçário.

O médico Elvys Pereira explicou que a paciente chegou ao plantão com queixa de dor abdominal e, com exame médico, constatou-se um abdome gravídico, um formato sugestivo de um útero crescido, com feto desenvolvido.

“Pela altura do fundo uterino, suspeitamos de uma gestação em curso em torno de 35 semanas. Informações adicionais como movimento fetal, aumento das mamas, enjoo e manchas típicas da gravidez, passaram despercebidas pela paciente. Podemos considerar que esse foi um caso de gravidez silenciosa, que é raro na medicina”.

A supervisora de assistência social da UPA Cidade Universitária, Ana Lúcia, fez o acolhimento da paciente e afirmou que o momento foi único e inexplicável.

“Fomos agraciados, abençoados. Para todos da equipe do plantão foi uma sensação de renascimento pessoal quando o pequeno Luiz Otávio nasceu. Nossa equipe muito humana se uniu em um só propósito de trazer ao mundo o Luiz Otávio, com todo amor e carinho que temos pelo nosso trabalho. O momento será lembrado por todos”.

A equipe multidisciplinar da UPA angariou doações para a nova mamãe, como roupinhas para o recém-nascido, uma cadeira bebê conforto e um leão de pelúcia.