5 de março de 2021Informação, independência e credibilidade
Mundo

Médico é preso acusado de matar pacientes de Covid para liberar leitos

Ele se disse inocente, mas a juíza do caso diz que há indicios da prática dos crimes

Médico negou as acusações, mas a justiça vê veracidade nas acusações

Carlos Angelo Mosca, de 47 anos, médico responsável pelo pronto-socorro de um dos hospitais da Itália foi preso suspeito de matar intencionalmente ao menos dois pacientes com COVID-19.

Ele aplicava doses mortais do anestésico propofol e succinilcolina, um bloqueador neuromuscular, em pessoas internadas com sintomas graves da doença. A notícia foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo.
Segundo a reportagem, o médico recebeu ordem de prisão preventiva domiciliar na última segunda-feira, 25, e na sexta, 29, foi interrogado por duas horas e meia no Tribunal de Bréscia. Ele negou as acusações e, na chegada ao tribunal, disse em voz baixa: “Sou inocente”.
No entanto, a juíza Angela Corvi disse  reconhecer “graves indícios” de homicídio doloso qualificado.
De acordo com as investigações, as mortes de Natale Bassi, 61, e Angelo Paletti, 79, teriam sido causadas pelas doses fatais aplicadas pelo médico entre 20 e 22 de março, auge da primeira onda da pandemia.
Denúncias feitas por enfermeiros e operadores sanitários dão conta de que o médico administrava os medicamentos nos pacientes graves quando estava sozinho. No caso do paciente Bassi, ele pediu que a equipe saísse da sala de emergência.
“Poucos minutos depois, a funcionária voltou, percebendo a morte de Bassi, naquele momento desacompanhado de membros da equipe. O óbito foi declarado pela doutora [nome omitido], que indicou no prontuário ‘repentina parada cardio-circulatória”, diz o documento assinado pela juíza, com base na investigação.
Já no caso de Angelo Paletti, foram encontradas embalagens vazias dos medicamentos na manhã seguinte à morte do paciente, ocorrida durante o plantão do médico suspeito.
Em nota, a administração do hospital classificou as acusações como graves e disse que está colaborando com as autoridades.