21 de janeiro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Ministro da Saúde fala em ‘agravamento’ da pandemia, apesar do desdém de Bolsonaro

Brasil superou a China em total de mortos e normalmente vem batendo recordes diários de óbitos confirmados em 24 horas

Em entrevista coletiva em Brasília, o ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou que o aumento de casos constitui uma tendência. Anteriormente, ele havia ponderado que seria preciso ver se os números expressam a atualização de casos anteriores ou se representavam um aumento de fato.

“A curva vem crescendo e há agravamento da situação. Isso continua restrito aos lugares que estão vivendo maiores dificuldades, como Manaus, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Entendendo que Brasil tem que ser tratado de forma diferente, mas nesses lugares com um quadro de piora vamos continuar acompanhando para ver como vai ser a evolução”. Nelson Teich, ministro da Saúde.

De acordo com o último levantamento do Ministério da Saúde, o Brasil chegou a 71.886 pessoas infectadas, 5.017 óbitos e 32.544 pacientes recuperados que deixaram de apresentar os sintomas da doença. A letalidade subiu para 7%, o maior índice desde o início da pandemia no país.

As cidades mais afetadas pela pandemia estão vivendo já o colapso de seus sistemas de saúde. Em Manaus, Fortaleza e Rio de Janeiro há filas de espera por leitos de unidade de tratamento intensivo (UTI). O cenário é preocupante em outros locais, como a região metropolitana do Recife e Belém.

E daí?

Apesar disso, quando questionado para comentar sobre o fato do Brasil ter ultrapassado o número de óbitos oficiais da China, o presidente Jair Bolsonaro resolveu fazer piada. Antes de tudo, falou “E Daí? Lamento”. Perguntou o que podia fazer e que era Messias, mas que não fazia milagres: