4 de dezembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Moradores acampam na sede da Braskem em protesto pela agilidade nas indenizações

Propopsta é pressionar para os pagamentos das indenizações e fazer realocação das famílias que passam por ilhamento social

Os moradores dos quatro bairro atingidos pelo afundamento do solo irão acampar na sede da Braskem, nesta quinta-feira (04). Ainda durante a madrugada, os acessos à empresa foram bloqueados pelos moradores.

A proposta é pressionar a empresa para agilizar os pagamentos das indenizações, assim como fazer a realocação das famílias que passam por ilhamento social no Flexal de Cima e Flexal de Baixo.

A manifestação foi convocada pelo vereador Francisco Sales e deve reunir famílias dos bairros de Bebedouro, Pinheiro, Mutange, Bom Parto, Flexal de Cima, Flexal de Baixo e Marquês de Abrantes.

Enquanto na região do Bebedouro a empresa foi alvo de protestos, desta vez no Pontal da Barra foram montados tendas e veículos estão parados na frente da empresa. O acampamento deve durar dias e eles já organizam revezamento para a estada.

Durante este período, o trânsito na região e trabalhadores não serão importunados. No entanto, caminhões que carregam matéria-prima são alvos do protesto e devem ter dificuldade de locomoção.

Outro lado

Através de sua assessoria, a Braskem disse em nota que respeita a manifestação pacífica e que já adotou medidas para garantir o acesso seguro dos trabalhadores.

Além disso, reforça que as ações do Programa de Compensação Financeira sejam concluídas até dezembro de 2022. E que o PCF apresenta uma média de 700 propostas de compensação apresentadas por mês e 96,9% dos imóveis já desocupados.

Confira a nota na íntegra:

A Braskem respeita o direito de manifestação pacífica, respeitados os limites legais e a segurança das pessoas. A empresa informa que adotou medidas para garantir o acesso seguro dos trabalhadores à fábrica, que funciona normalmente.

Movimentos contrários ao diálogo e à razoabilidade não colaboram para maior celeridade ao Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação, bem como atrapalham a manutenção do diálogo construtivo entre a empresa e as lideranças legitimamente constituídas.

A empresa reitera que o Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação segue um cronograma público e permanentemente acompanhado pelas autoridades (Ministério Público Federal, Ministério Público do Estado de Alagoas, Defensoria Pública da União e Defensoria Pública de Alagoas).

Segundo o Termo de Acordo assinado com as autoridades, a estimativa é que as ações do PCF sejam concluídas até dezembro de 2022. Porém, a equipe do programa trabalha de forma incessante para dar ainda mais celeridade à elaboração e apresentação das propostas. E os dados evidenciam isso.

Com uma média de 700 propostas de compensação apresentadas por mês e 96,9% dos imóveis já desocupados (13.986 de um total de 14.424 identificados), o PCF vem cumprindo seus principais objetivos: apoiar a desocupação dos imóveis nas áreas de risco e monitoramento definidas pela Defesa Civil e garantir que moradores e comerciantes possam ser indenizados de maneira justa, no menor tempo possível.

São 10.428 propostas de compensação apresentadas, das quais, 9.041 aceitas e 7.673 pagas. A diferença entre o número de propostas apresentadas e aceitas se deve aos prazos que as famílias têm para analisar os valores oferecidos ou solicitar a reanálise.

O índice de aceitação geral é de 99,6%, e o valor pago até o momento em indenizações, auxílios financeiros e honorários de advogados supera R$ 1,6 bilhão. Os números são apresentados regularmente às autoridades signatárias do acordo.

Esses números também mostram a evolução do programa, que vem sendo constantemente aperfeiçoado a partir do processo de escuta à população – feito pelas autoridades e pela empresa.

A Braskem implementou diversas medidas de apoio à regularização dos documentos das famílias, comerciantes e empresários, inclusive com maior flexibilidade do que seria exigido no Judiciário. Mas existem certos limites que devem ser observados para garantir que as compensações sejam pagas a quem de direito e em conformidade com a lei.

Apesar da flexibilização e desburocratização, a ausência de documentos impacta no tempo de análise e reanálise das propostas. Também há situações em que a legislação exige uma documentação mais complexa, como as que envolvem imóveis objeto de herança ou de partilha em divórcio ou imóveis pendentes de financiamento. Em todos os casos, a equipe da Braskem presta apoio para a solução.