27 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

“Moro de saias”: TRE cassa mandato da senadora Selma Arruda (PSL-MT)

Senadora chegou a votar na Comissão de Constituição e Justiça pela instalação da chamada CPI da Lava Toga

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso cassou o mandato da senadora Selma Arruda (PSL-MT). A alegação é que ela incorreu em crime de abuso de poder econômico e caixa dois. Cabe recurso.

O voto do relator foi considerado “pesadíssimo”, por advogados que acompanham o caso, e seguido pelos demais juízes. O suplente da senadora teria pagado com cheques uma série de despesas na campanha que não foram declaradas à Justiça Eleitoral, um forte indício de crime de caixa dois.

As supostas irregularidades foram documentadas em ação de cobrança ajuizada por Junior Brasa, que afirma ter prestado serviço de marketing à candidata. Ele anexou cheques e pagamentos feitos no período de pré-campanha, o que pode configurar gastos de de forma irregular.

“Ela estava me devendo mais de R$ 1,5 milhão. Fiquei 25 dias negociando e cheguei a reduzir a dívida para R$ 360 mil”. Junior Brasa, prestador.

Pouco antes de receber o veredito da Justiça Eleitoral, a senadora votou na Comissão de Constituição e Justiça pela instalação da chamada CPI da Lava Toga.

Selma Arruda é juíza aposentada e ficou conhecida em seu estado como “Moro de saias” pela atuação mão pesada na penalização de autoridades e servidores públicos acusados de crimes, por ter mandado prender empresários e políticos.

Além da cassação do mandato, o TRE condenou Selma e seu suplente a oito anos de inelegibilidade. Durante o processo, ela estava confiante:

É a mesma coisa que vocês jornalistas acusaram o Bolsonaro, né? Pode colocar o que você quiser porque eu não vou nem ler”. Selma Arruda, ex-senadora (PSL-MT), antes de ser cassada.

Entretanto, após a decisão, em nota a senadora disse que vai recorrer da decisão.

“A tranquilidade que tenho é com a consciência dos meus atos, a retidão que tive em toda a minha vida e que não seria diferente na minha campanha e trajetória política. Respeito a Justiça e, exatamente por esse motivo, vou recorrer às instâncias superiores”. Selma Arruda.