24 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Personalidades

Morre em Brasília, vítima do Covid, o médico alagoano Brancildes Júnior

Ele era servidor da Prefeitura no interior baiano

Médico Brancildes Júnior, vítima do Covid-19

Morreu em Brasília, onde estava internado há cerca de duas semanas, em decorrência de complicações provocadas pela Covid-19, o médico hematologista alagoano Brancildes do Espírito Santo Júnior. Ele deixou Alagoas há cerca de 20 anos, e se estabeleceu, com a mulher e os três filhos, Rodrigo, Tiago e Jéssika (hoje todos médicos) no município de Barreiras, na Bahia, de onde tornou-se referência no exercício da medicina e na política regional. Foi vereador no município de Riachão das Neves, presidente da Câmara e vice prefeito.

Sua esposa, a médica Graça Mello é vereadora na cidade de Barreiras, e seus filhos também são servidores públicos do município, onde exercem a medicina, assim como ele. Dois deles (Rodrigo e Tiago), atuam no Pronto Atendimento do Coranavírus, dirigido por Rodrigo. Entre os legados deixados por  Brancildes Junior, destacados pela imprensa local, está o pioneirosmo na criação do primeiro centro de hemodiálise do oeste baiano (o Unisangue), logo quando chegou a Barreiras, no início dos anos 2000.

Em Alagoas, Brancildes tinha como irmãos Pedro Jorge do Espírito Santo e Rita Tenório, viúva do ex-vereador da capital, Dau Tenório. Além do exercício da medicina, ele tinha um quadro de saúde na TV Gazeta de Alagoas, espaço que conseguiu reproduziu no telejornal da TV Oeste e por meio da Rádio Vale do Rio Grande, onde tinha o programa Saúde em Debate, informando a população da região onde morava, sobre assuntos relevantes da área de saúde.

“Dr. Brancildes era um ser humano exemplar, amigo, humano, um homem honrado e de caráter e cujo brilho do sorriso ficará para sempre em nossos corações”, diz um trecho da matéria publicada pelo portal Mural do Oeste.

De acordo com a publicação, em meados de julho, Brancildes e a família postaram um vídeo nas redes sociais, no qual comunicavam à população que haviam sido contaminados pelo Covid-19. No caso dele, a doença evoluiu, junto com outros problemas de saúde e teve que ser levado em estado grave para Brasília onde ficou internado por cerca de 15 dias, até sofrer uma parada cardíaca que o matou, na tarde deste domingo.

Nesta segunda-feira, a Prefeitura de Barreiras decretou luto oficial de três  dias e emitiu nota de pesar pela morte do médico alagoano.

Brancildes Junior foi mais um profissional da saúde contaminado pelo Covid-19, e que desenvolveu a forma grave da doença que o levou à morte.