29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Blog

Na eleição da OAB o show foi do marketing, após um racha no mesmo grupo

Eleito presidente, Vagner Paz, trouxe para o seu lado os líderes de oposição ao grupo desde 2012

Vagner e Natália, eleitos na bem disputada campanha da Ordem

Há tempos que a seccional da OAB em Alagoas não tinha uma eleição diferente, animada e com envolvimento de tantos advogados jovens.

Ao contrário de disputas passadas, este ano o processo transcorreu sem baixaria explícita, muito mais tranquila e com o viés do “marketing show”.

Desde as arenas instaladas às margens de vias públicas até as manifestações isoladas dos defensores de cada candidato. Tudo pensado pelo marketing.

Venceu a chapa 2 – “OAB Arretada”. Os candidatos Vagner Paes e Natália Von Sohsten incorporaram o sentimento de contrariedade interna entre os jovens advogados.

Na verdade, o processo eleitoral da Ordem se deu em função de rompimentos entre os gestores do mesmo grupo. Os dois concorrentes, Paes e Maiorano, são oriundos da atual gestão de Nivaldo Barbosa, conceituado profissional de Arapiraca.

Em 2018, Paes foi eleito vice-presidente de Barbosa. Maiorano conquistou a presidência da Caixa de Assistência dos Advogados na mesma eleição.

O grupo, na verdade, já andava junto desde 2012, quando os advogados elegeram o também arapiraquense, Thiago Bonfim. Maiorano, então, foi eleito vice-presidente. E todos seguiram juntos na eleição de Fernanda Marinela.

A chapa de Ednaldo Maiorano e Manuella Gatto, embora muito bem votada, teve contra si o símbolo do continuísmo, uma vez que estava apoiada pela atual gestão da Ordem.

O candidato Wagner Paes, ao se desgarrar, trouxe para si uma boa parcela da oposição, liderada pelo grupo Brabo Magalhães, um dos principais cabos eleitorais da chapa eleita.

Fundamental no processo foi a serenidade dos jovens candidatos, numa campanha limpa, sem agressões, como preconiza o princípio da urbanidade.

Oxalá, a ordem volte a ser o maior referencial de respeito ao estado de direito democrático e da cidadania.

Um sentimento que anda à meia boca de uns tempos para cá.