20 de abril de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Nem vacina ou mesmo seringas: Estados têm que se virar diante da ineficácia do ministério da Saúde

Ministério da Saúde planeja comprar 370 milhões de unidades, mas nem publicou edital ainda

Cansados de esperar pela boa vontade do Ministério da Saúde, governadores decidiram garantir seringas para a vacinação contra a Covid-19. Isso porque a pasta do Governo Federal, apesar de prometer a compra e distribuição do material, nem mesmo publicou edital de licitação para o mesmo.

Ou seja: se não se sabe quais imunizantes serão aplicados na população, além de vários detalhes indefinidos da campanha de vacinação, o governo deixou para última hora a compra das seringas.

Pelo menos nove estados já abriram licitações próprias com essa finalidade e juntos pretendem encomendar 210 milhões de seringas. O ministério planeja comprar 370 milhões de unidades, mas por enquanto ficou só na promessa.

O Ministério da Saúde já afirmou que a compra das seringas é de responsabilidade dos estados e que fará a aquisição em caráter excepcional. E informou que os estados poderão ser coparticipantes no seu edital, que ainda não tem data para sair.

O problema é que a indústria não vê como atender à súbita procura pelo produto, há que não necessariamente uma coordenação entre os governos.

São Paulo, por exemplo, já iniciou nesta quinta (10) sua terceira tentativa de adquirir 50 milhões de seringas, após dois pregões fracassados. Oito horas de negociação terminaram sem acordo, e a disputa continua nesta sexta (11).

O Rio de Janeiro é o estado que prevê maior volume de encomendas, com 66 milhões de seringas. Minas Gerais e São Paulo querem 50 milhões para cada um e a Bahia, 20 milhões.