7 de março de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Polícia Civil desarticula grupo criminoso em operação em Alagoas e mais 3 estados

Grupo investigado na ação desta terça teria movimentado mais de R$ 800 milhões

Uma operação em Maceió e em mais oito cidades de quatro estados no Brasil foi deflagrada, pela Polícia Civil, na manhã desta terça (15). O objetivo é desarticular um grupo criminoso com atuação interestadual e internacional ligado a acusados na operação Lava Jato.

A Operação Piànjú, cumpre mais de 120 mandados judiciais em todo o Brasil, sendo realizada nos estados do Espírito Santo (Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica), São Paulo (capital, Santos e Jaguariúna), Ceará (Fortaleza) e Alagoas (Maceió).

Dentre as ordens de busca e apreensão, há 12 imóveis como alvos, 3 veículos de luxo (Porsche Panamera, Maserati Granturismo S e Mercedes Benz GLA200FF), 12 motos aquáticas e 11 embarcações, através de:

  • 18 mandados de prisão preventiva
  • 5 mandados de prisão temporária
  • 30 mandados de busca e apreensão
  • 23 sequestros de embarcações
  • 43 ordens judiciais de bloqueio de contas bancárias
  • 2 ordens judiciais de suspensão de atividades econômicas

Investigação

O grupo é acusado de praticar os crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos públicos e particulares, inserção de dados falsos em sistemas informatizados, falsidade ideológica, estelionato e falsa comunicação de crime.

Ao longo de dois anos de investigações, os policiais descobriram que a célula do grupo que atuava no Espírito Santo era composta por dois empresários capixabas, além de outros membros.

Ela “agia como ‘prestadora de serviços’ de lavagem de capitais para outras organizações criminosas possuindo, inclusive, ligação com empresas e pessoas investigadas e denunciadas no âmbito de diversas fases da Operação Lava Jato”, informou a corporação.

Entre elas, as operações Chorume e Descarte, além de empresas já investigadas por agirem com os doleiros Alberto Youssef e Nelma Kodama, e uma companhia investigada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro acusada de desviar mais de R$ 98 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O grupo investigado na ação desta terça teria movimentado mais de R$ 800 milhões. Os alvos dos mandados de prisão são membros responsáveis pelo esquema de lavagem de capitais, realizado por meio de empresas de fachada e fictícias. Estas eram criadas a partir de identidades falsas, expedidas pelo setor de identificação da Polícia Civil do Espírito Santo.