26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Blog

Polícia: Jovens queriam repetir tragédia de Suzano em escola de Viçosa

Ou é brincadeira de criança de péssimo gosto ou é mesmo o fim do mundo.

Berço do Cardeal Dom Avelar Brandão e do seu irmão Teotônio Brandão Vilela, o senador da redemocratização do Brasil, Viçosa, na zona da mata alagoana, surge nas páginas de polícia como mais uma cidade ameaçada pelo terrorismo.

Em um primeiro momento é muito difícil de acreditar na informação. Mas, são as autoridades policiais da cidade que estão dizendo.

E quando falo difícil de acreditar é exatamente pela natureza pacífica, trabalhadora e ordeira da boa gente do lugar. Viçosa é berço de intelectuais e nunca foi célula de marginais.

Viçosa: berço de intelectuais.

Mas, eis que a notícia veiculada fala na disposição de três jovens para repetir lá o que foi feito por mais dois criminosos em Suzano, na grande São Paulo, em 13 de março passado.

Ainda assim é custoso de acreditar. Em todo caso, não se pode vacilar e cabe exatamente às autoridades a explicação real dos fatos.

Até então, a informação da Polícia Civil é que três alunos da escola Joaquim Diegues são suspeitos de planejar a invasão da unidade de ensino para promover a matança dos próprios colegas e professores. Os rapazes não tiveram suas identidades reveladas por serem menor de idade.

De acordo com a polícia, áudios neste sentido estavam sendo transmitidos via grupo de Whatsapp. Computador e celulares foram apreendidos e serão periciados.

Se a perícia comprovar a veracidade das informações preliminares pode-se dizer com todas as letras que deu a louca no mundo.
É verdade que a sociedade, de uma forma geral, anda cheia de ressentimentos, intolerante e agindo de forma doentia, quase sempre.
Mas, daí a adotar a prática de implantar o terror com o deliberado planejamento para a matança coletiva dos semelhantes é demais . Alguma coisa está fora de eixo.
Que essa história de Viçosa não passe apenas de uma brincadeira de péssimo gosto de adolescentes do lugar. Caso contrário é o fim do mundo.
O povo alagoano e, sobretudo, o viçosense, não merece isso.