27 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Prisão de ministro faz Líder do PT enviar notícia-crime contra Bolsonaro

Enquanto isso, ex-ministro Weintraub diz que há muito mais coisa para ser revelada no MEC

O líder do PT na Câmara, deputado federal Reginaldo Lopes (MG), apresentou uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) após a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro.

O pedido de investigação da conduta do chefe do Executivo federal foi encaminhado ao presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, com pedido para intimação da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O parlamentar pede que seja apurada a “coautoria” e/ou “participação” de Bolsonaro em conjunto com o ex-ministro no caso que culminou com a prisão dele.

“Por fim, é importante afirmar que a vinculação do Presidente da República com grupo criminoso antecede a posse do ex-ministro da Educação, na medida em que os Pastores presos e outros, já mantinham uma frequência de encontros com a Primeira Dama Michelle Bolsonaro e visitavam com regularidade o Palácio do Planalto, de modo que a organização delituosa estava sendo estruturada e em atuação há bastante tempo”. Trecho do ofício.

Em áudio, o ex-ministro diz que o envolvimento dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura no MEC foi um pedido de Bolsonaro. No dia seguinte, Ribeiro tentou isentar o presidente.

Prisão

Milton Ribeiro foi preso pela Polícia Federal por suspeita de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos no MEC (Ministério da Educação). A PF cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos.

A PF identificou indícios de crimes na liberação de verbas do fundo com base em documentos, depoimentos e um relatório do CGU (Controladoria-Geral da União) — há três semanas, um novo documento do CGU apontou sobrepreço em edital do FNDE.

Weintraub

Há muito mais coisas a serem reveladas no Ministério da Educação, segundo disse o ex-ministro da Educação do governo Bolsonaro, Abraham Weuntraub, conforme noticiou em o O Globo o colunista Lauro Jardim.

O ex-ministro da Educação demitido após ter, segundo o próprio, resistido em entregar o FNDE ao Centrão, avalia que mais casos de suspeitas de corrupção não devam parar de aparecer com a prisão de Milton Ribeiro e dos pastores. Ele diz:

“O Milton Ribeiro saiu e a turma toda ficou. Então, eles continuam atuando. Tem muito mais coisas acontecendo no MEC e em algum momento vai acontecer. Eu vi como é a sanha do pessoal, o pessoal é desesperado. ” equipe que gerou todo esse caroço continua lá. Os desgastes vão continuar, vão aparecer mais coisas. E, se não aparecer agora, vai aparecer ano que vem. O pessoal está trabalhando, todo dia acorda e vai trabalhar. E gente errada trabahando faz coisa errada”.

Antes aliado de Bolsonaro, Weintraub virou rival político do presidente ao insistir na pré-candidatura ao governo de São Paulo contra Tarcísio de Freitas, candidato do governo.

Recentemente, o ex-ministro projetou que Bolsonaro pode ser derrotado por Lula nas eleições por causa da inflação e dos ‘escândalos’.

“Eu acho que 80% da derrota do governo Bolsonaro virá por conta da inflação e 20% por causa das promessas não cumpridas, não só por suspeita de corrupção, mas também de não ter cumprido promessas, desde a mudança da Embaixada em Jerusalém, que ele não vai entregar”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.