24 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Blog

Procurador se aposenta no MPE e sai com R$ 1,6 milhão no bolso

Para essa casta de privilegiados vai muito bem o Brasil e a economia brasileira

Palácio do Ministério Público do Tocantins

O “mercado” diz que o Brasil vai bem e a economia também. De certo que vai, mas para os privilegiados. E eles estão nas castas superiores dos tribunais e palácios atapetados.

O “mercado” não vai à feira com o salário mínimo, nem paga plano de saúde com os soldos de um pensionista do INSS. E assim pode dizer que tudo está às mil maravilhas por que ganha exatamente em cima da miséria alheia.

Que o diga o Procurador geral da Justiça José Omar de Almeida Júnior que recebeu do Ministério Público Estadual R$ 1.060.919,64 só de férias indenizadas.

E não ficou só nisso: Ele pediu aposentadoria no MPE do Tocantins e recebeu de uma só tacada o rendimento bruto de R$ 1.613.037,87. Saiu de lá pronto para ser mais um defensor do “mercado” que diz estar tudo bem com a economia.

Questionado sobre a indenização milionária de um servidor público da instituição, o Ministério do Público declarou que “todo membro do MPE, promotores e procuradores, tem direito a 60 dias de férias por ano. As férias indenizadas são aquelas que não foram usadas durante todo o período em que ele trabalhou no órgão”. Assim o é em todas as unidades da Federação.

Disse também em nota, que por ocasião da aposentadoria de seus membros e servidores, cumpre a instituição quitar os direitos pecuniários que tenham pendentes, acumulados ao longo das carreiras.

Portanto, para quem sai com mais de R$ 1,6 milhão na conta bancária, o Brasil vai muito bem obrigado.

Enquanto isso, 12 milhões de brasileiros, sem renda nenhuma, amargam o desemprego.

Desses, muitos já dormem nas calçadas do “mercado”.

 

2 Comments

  • Avatar Joelson Lima

    O senhor Cesar carrega com ele a baboseira da meritocracia às avessas. Defende a mordomia inescrupulosa e “esdrúxula” meu nobre. Não qualquer é um que pode ser juiz ou promotor por que as diferenças de oportunidade foram perversas para a maioria pobre. Os privilegiados, sim, foram beneficiados e a maioria graças ao sobrenome de papai e mamãe sempre ligados à cadeia de comando da elite do País. Qualquer outro argumento é conversa mole de quem defende a mamata com o dinheiro do povo.

  • Avatar Cesar Machado

    Oportunidade desses 12 milhões de desempregados prestar o concurso pro MPE do Tocantins, já que abriu a vaga decorrente da aposentadoria. Um dos cargos mais democráticos da república, é só prestar o concurso, diferente de outros cargos que, seja na iniciativa privada, seja na pública, só se consegue mediante indicação ! Todos querem ganhar o que o procurador ganhou, mas ninguém quer seguir o caminho árduo que é ser um promotor de justiça, um cargo de ponta do serviço publico, por isso tem que ser bem remunerado, face a responsabilidade é dificuldades inerentes à carreira! E ainda vende direitos que não lhe foram permitidos, diante do excesso de serviço, já que não de preenchem todas as vaga do concurso, por conta da ausência de profissionais qualificados e que consigam passar nas provas ! Ser procurador ou juiz não é integrar a uma casta, nem outro segmento estamental! Qualquer um tem a oportunidade de se tornar um, é só seguir o árduo caminho de um concurseiro no país! Reportagem exdrúxula, com críticas nada construtivas! Falta conhecimento pra esse profissional ! Não merece nem ser lida ! Só propaga a raiva em relação a alguns dos mais altos cargos da república ! Triste!

Comments are closed.