2 de dezembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Esportes

Rebeca Andrade agora é campeã no salto no mundial do Japão

A brasileira de 22 anos se consagra como campeã do mundo.

Rebeca Andrade campeã mundial no salto

Medalhista olímpica de ouro no salto há menos de três meses, a ginasta Rebeca Andrade agora também é campeã mundial no aparelho. Neste sábado (23), a brasileira confirmou o favoritismo e venceu com sobras a prova no Campeonato Mundial de Kitakyushu, no Japão.

A média de seus dois saltos foi 14,966, bem acima da segunda colocada, a italiana Asia D’Amato, com 14,083. Na classificação, Rebeca já havia ficado confortavelmente à frente das concorrentes, com média 14,800.

A russa Angelina Melnikova, única entre as outras finalistas dos Jogos de Tóquio a também marcar presença na final em Kitakyushu, foi bronze (13,966).

A brasileira de 22 anos conquistou sua primeira medalha em Mundiais e se juntou a outros quatro representantes do país que já obtiveram a primeira posição: Daiane dos Santos, Diego Hypolito, Arthur Zanetti e Arthur Nory.

Na ginástica feminina, o Brasil tinha até então duas medalhistas além de Daiane, ouro no solo em 2003: Jade Barbosa, com dois bronzes, um deles também no salto, em 2010, e Daniele Hypolito, prata no solo em 2001.

O primeiro Mundial após as Olimpíadas costuma ser desfalcado de estrelas e tem apenas as disputas individuais. Esta é a primeira vez desde 1996 que a competição é realizada no mesmo ano dos Jogos Olímpicos, em razão das mudanças de calendário provocadas pela pandemia.

Sem Simone Biles na disputa, Rebeca é tratada como principal nome do evento, ao lado do atleta da casa Daiki Hashimoto, e justificou neste sábado seu novo papel como celebridade do esporte.

Por opção dela e da Confederação Brasileira de Ginástica antes da competição, Rebeca não se apresentou no solo. Com isso, também não disputou medalha no individual geral (em que as ginastas competem nos quatro aparelhos).

A performance no tablado é a mais exigente para os joelhos, parte do corpo especialmente sensível para a atleta. Ela já passou por três cirurgias no joelho direito e, por causa disso, perdeu os Mundiais de 2015, 2017 e 2019.

Agora, além de aproveitar o momento especial de brilho na carreira, ela também deseja se poupar com os Jogos Olímpicos de Paris-2024 na mira.

Ainda nesta manhã, a partir das 6h25, Rebeca disputará a final nas barras assimétricas, em que também avançou na primeira posição na classificatória. Caso suba ao pódio novamente, será a primeira atleta do país a fazer isso duas vezes numa mesma edição do Mundial.