22 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Mundo

Russos incendeiam e ocupam maior usina nuclear da Europa

Zelensky, declarou que Moscou apelou para “terrorismo nuclear” e Otan criticou ataque

No nono dia da invasão russa na Ucrânia, Autoridades ucranianas afirmam que forças russas assumiram o controle da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sudoeste do país. Um incêndio atingiu o local após uma série de bombardeios russos.

Não há registro de vazamento de radiação no local, mas há relatos de destruição de equipamentos militares das forças russas por parte de ucranianos em algumas regiões do país.

Funcionários operacionais controlam os blocos de energia e garantem seu funcionamento de acordo com as exigências das regulamentações técnicas e de segurança. Dos seis blocos, o primeiro está fora de operação, os número 2, 3, 5 e 6 estão em processo de resfriamento e o 4 permanece operacional.

Terrorismo nuclear

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, declarou que Moscou apelou para “terrorismo nuclear” ao bombardear a maior usina europeia. A OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) criticou os russos pela ação contra a central nuclear.

Uma reunião do G7 —grupo que reúne Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Canadá, Alemanha e Japão— está prevista para hoje para discutir a situação na Ucrânia.

Os aliados da Otan implementaram sanções sem precedentes e forneceram suporte para a Ucrânia, ainda que a organização “não faça parte desse conflito”.

O regime de Vladimir Putin reclama de uma eventual adesão de Kiev à Otan, aliança militar criada para fazer frente à extinta União Soviética.

Para Putin, a Otan é uma ameaça à segurança da Rússia por sua expansão na região. Por isso, o presidente quer uma declaração formal de que a Ucrânia nunca vai se filiar à aliança.