28 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

São Paulo e Rio confirmam casos de varíola dos macacos

Já são cinco os casos de varíola dos macacos (monkeypox) no Brasil

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio) confirmou hoje (15) o primeiro caso da varíola dos macacos (monkeypox) na cidade. A vítima é um brasileiro, de 38 anos, mas que mora em Londres, na Inglaterra.

Ele chegou ao Brasil no sábado (11) e, no dia seguinte, procurou atendimento médico no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz).

São Paulo

Mais um caso de varíola dos macacos ocorre no estado de São Paulo. Ele foi confirmado pelo Instituto Adolfo Lutz. O paciente é um homem.

Ele vive na cidade de São Paulo e tem 31 anos. Está internado no Instituto de Infectologia Emílio Ribas com um bom quadro clínico. Segundo a Secretaria estadual da Saúde, o paciente tem histórico de viagem à Europa. A secretaria informou ainda que ele e seus contactantes estão isolados e monitorados.

Na semana passada, duas outras ocorrências de varíola dos macacos foram confirmadas no estado. Na última quinta-feira (9), o governo paulista confirmou o primeiro caso no país: um morador da capital paulista que está internado no Emílio Ribas, com boa evolução do quadro clínico.

O segundo registro foi detectado em um homem, de 29 anos, que está isolado em sua residência em Vinhedo, no interior do estado. Ambas as ocorrências foram consideradas importadas, já que os pacientes tinham histórico de viagem ao exterior.

Segundo o Ministério da Saúde, com essas duas novas confirmações, já são cinco os casos de varíola dos macacos (monkeypox) no Brasil: três em São Paulo, um no Rio Grande do Sul e um no Rio de Janeiro. Oito casos seguem em investigação. O ministério informou ainda que o óbito que estava em investigação em Minas Gerais foi descartado para monkeypox. As causas desse óbito ainda estão em investigação.

Transmissão

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. O contato pode ser por abraço, beijo, massagens ou relações sexuais. A doença também é transmitida por secreções respiratórias e pelo contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies utilizadas pelo doente.

Não há tratamento específico, mas os quadros clínicos costumam ser leves, sendo necessários o cuidado e a observação das lesões.